sexta-feira, 2 de maio de 2014

Manifestantes derrubam dois helicópteros na Ucrânia


Imagem: Sergei Chuzavkov/AP
Dois helicópteros do Exército da Ucrânia foram abatidos durante uma investida contra a cidade separatista pró-Rússia Sloviansk. De acordo com o Ministério do Interior ucraniano, os dois pilotos morreram e várias pessoas ficaram feridas.

O canal Rossia 24 disse que houve um terceiro helicóptero abatido e o canal Kremlin Russia Today fala de uma quarta aeronave, mas não há confirmação oficial.

Segundo as forças de defesa pró-russas de Sloviansk os militares ucranianos que cercaram a cidade não permitem que as mulheres e crianças deixem o local.

“Todas as estradas que conduzem dentro e fora da cidade foram isoladas. Ninguém, nem as crianças e as mulheres, pode deixar a cidade. Pode ter falta de comida e água potável”, declarou um porta-voz dos separatistas citado pela Interfax.

Ainda hoje, os separatistas pró-russos tomaram o centro de controle da rede ferroviária na região de Donetsk, cortando a eletricidade e impedindo a circulação dos trens, informou um porta-voz das ferrovias locais.

Rússia

A Rússia solicitou à Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (Osce) de tomar medidas para acabar com a “operação punitiva” das autoridades de Kiev no leste da Ucrânia, informou o representante da Osce, Andrei Kelin, de Viena, citado pela agência de notícias russa Itar-Tass.

O ataque, segundo o Kremlin, destrói os acordos de Genebra. “Utilizando a aviação para atirar contra civis, o regime de Kiev lançou uma operação punitiva e está acabando com todas as esperanças para à atuação dos acordos de Genebra”, declarou Dimitry Peskov, porta-voz do presidente russo, Vladimir Putin.

Moscou perdeu contato com seu enviado presidencial Vladimir Lukin, que foi enviado ontem (1) para a região leste da Ucrânia para negociar a possível libertação dos observadores da Osce sequestrados por pró-russos em Sloviansk.

OTAN

Ainda hoje, cinco navios de países da Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) chegaram no porto lituano de Klaipeda para “reforçar a defesa da região”, segundo declarações do ministro da Defesa lituano, Juozas Olekas.

Segundo o ministro, se trata de um claro sinal da vontade da Otan de assegurar a Lituânia e os outros países parceiros da Aliança diante dos temores suscitados pela crise na Ucrânia. 

Ansa via Diário do Poder
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...