sábado, 26 de julho de 2014

Convocado para depor, Campos diz que Dilma é quem pode esclarecer sobre ex-diretor da Petrobras


Imagem: Avener Prado / Folhapress
Candidato do PSB à Presidência da República, Eduardo Campos afirmou nesta sexta-feira (25) que a presidente Dilma Rousseff é "quem poderia esclarecer mais coisas sobre Paulo Roberto Costa", ex-diretor de Abastecimento da Petrobras e alvo da Operação Lava Jato, que investiga um esquema de lavagem de dinheiro e evasão de divisas comandado pelo doleiro Alberto Youssef.


Na quarta-feira (23), a Justiça Federal acolheu pedido da defesa de Costa, que indicou o ex-governador de Pernambuco como testemunha, e mandou intimar Campos para depor no processo sobre suposto desvio de dinheiro das obras da refinaria Abreu e Lima. A decisão é do juiz Sérgio Moro, que reconhece a demora na localização das testemunhas "em período de campanha eleitoral".

Leia também: 

Questionado sobre se compareceria ou não para depor sobre o caso, Campos disse que "a indicação de testemunha é livre". "Estou à disposição da Justiça mas acho que quem poderia esclarecer mais coisa sobre Paulo Roberto Costa era a Dilma, por exemplo, que presidia o Conselho de Administração da Petrobras que nomeou o Paulo Roberto e que manteve ele lá anos e anos".

O presidenciável desconversou sobre sua relação com Costa: "Pergunte a ele", disse, apesar de já ter dito em março deste ano que conhece o ex-diretor da estatal.

"QUEREM NOS DIVIDIR"

Campos participou ao lado de Marina Silva, candidata a vice em sua chapa na disputa pelo Palácio do Planalto, do lançamento de candidatos a deputado estadual e federal da Rede, grupo político da ex-senadora que não conseguiu o registro na Justiça Eleitoral. Os nomes que concorrerão ao Legislativo estão filiados a siglas aliadas.

Durante discurso de pouco mais de vinte minutos, o pernambucano afirmou que é preciso "ter cuidado com aqueles que tentaram nos dividir". "Quem quer atrapalhar o caminho da mudança no Brasil fica tentando nos dividir. Eu e Marina temos consciência disso". afirmou.

O PSB e a Rede tiveram problemas na formação dos palanques estaduais e conseguiram se unir em torno de uma mesma chapa em 13 Estados mais o Distrito Federal. Nos outros treze Estados, como São Paulo e Rio de Janeiro, dois dos maiores colégios eleitorais do país, a Rede não apoia o candidato aliado a Campos e impediu, inclusive, o uso da imagem de Marina nos materiais de campanha.

Marina Dias
Folha de S. Paulo
Editado por Folha Política
Leia mais notícias do poder e da sociedade em Folha Política
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...