sábado, 2 de agosto de 2014

Copa do Mundo agrava profunda crise da indústria no Brasil


Imagem: Ricardo Matsukawa/Terra
Rio de Janeiro - A Copa do Mundo potencializou a perda de dinamismo que caracteriza a indústria desde o último trimestre do ano passado. Em junho, a produção industrial recuou 6,9% em comparação a igual mês de 2013, o pior resultado desde setembro de 2009.


A redução de números de dias trabalhados e a concessão de férias coletivas pesaram no resultado, principalmente das montadoras.

Em relação a maio, a produção recuou 1,4%, informou ontem (1) o IBGE. A queda foi menos intensa do que o esperado em média por analistas (-2,4%), mas contribuiu para recuo de 2% na produção no segundo trimestre, reforçando a perspectiva de retração no Produto Interno Bruto (PIB, soma da renda gerada no País) de abril a junho. O ritmo fraco deve ter reflexos também nos investimentos.

Veja também:
Túnel do Tempo: Como eram os comerciais de TV antes do Plano Real; assista
Brasil pode sofrer novo 7X1 na economia, diz Financial Times
FMI reduz projeção de crescimento do Brasil em 2014 para uma das piores do mundo, contrariando discurso do governo brasileiro
Brasil terá 4º ano seguido de crescimento abaixo da América Latina, prevê Cepal 
Indústria no governo Dilma tem pior desempenho desde Collor; país sofre 'desindustrialização'
Deutsche Bank, banco alemão, alerta investidores para ‘risco’ em reeleição de Dilma
PIB brasileiro pode crescer menos de 1% em 2014 se houver racionamento
Economista dinamarquês 'detona' Dilma e o Brasil: 'Campeão mundial em fracassos'
Após 20 anos, real perde poder de compra, e nota de R$ 100 vale só R$ 22,35

Copa

O recuo da produção em junho foi o quarto seguido tanto na comparação mensal quanto anual, mas a realização da Copa foi o que tornou a perda mais aguda e espalhada. Em maio, o recuo foi de 0,8%.

"A magnitude da queda tem relação direta com menor número de dias trabalhados, férias coletivas e cortes de turnos de trabalho, que ficaram como uma marca de junho", disse André Macedo, gerente da Coordenação da Indústria do IBGE.

TVs

A fabricação de televisores, que até abril impulsionou a indústria, caiu 29,6% em junho. Já os bens de consumo duráveis e os bens de capital tiveram as perdas mais expressivas e são as categorias que mais pressionam a indústria.

O destaque ficou com os veículos, cuja produção recuou 12,1% em relação a maio. Na comparação com junho de 2013, a queda foi de 36,3%, a maior desde dezembro de 2008 (-51%). "As estatísticas de estoque do setor estão completamente fora de seu padrão habitual", detalhou Macedo.

Fornecedores da indústria de veículos também foram afetados, como autopeças, produtos químicos, borrachas e plásticos, máquinas, aparelhos e materiais elétricos e metalurgia.

Além disso, a formação de estoques está por trás das perdas na fabricação de produtos têxteis, máquinas e aparelhos elétricos, máquinas e equipamentos e calçados, citou Macedo.

"A abertura dos dados da produção de junho ante maio mostrou uma queda disseminada em vários setores, o que dá uma dimensão de paralisia generalizada da economia", avaliou a economista Alessandra Ribeiro, da consultoria Tendências.

Petróleo

Por outro lado, alguns segmentos conseguiram fugir à tendência e ampliaram a produção, entre eles coque e derivados de petróleo. Nos alimentos, a alta foi puxada pela antecipação da safra e do processamento de açúcar.

A despeito do efeito da Copa em junho, a desaceleração na indústria não é pontual. Desde outubro de 2013, o recuo acumulado é de 6,5%. "A menor evolução da demanda doméstica, o cenário externo adverso, a restrição no crédito por encarecimento ou endividamento das famílias marcam 2014", diz Macedo, do IBGE. Em julho, é possível que os dias úteis a menos afetem novamente o desempenho da indústria, já que a Copa terminou no dia 13.

Para o economista-chefe da Western Asset, Adauto Lima, a produção deverá apresentar ligeira melhora em agosto, a depender da redução dos estoques. "As empresas ainda estão reportando estoques indesejáveis. Isso deve segurar a produção em julho. Talvez em agosto melhore, mas, no geral, o terceiro trimestre deve ser fraco." 

Leia também:
Justiça retira propaganda da Empiricus do ar a pedido do PT; analista responde
Dilma diz que episódio Santander é 'lamentável' e 'inadmissível'
Lula diz que analista do Santander "não entende p* nenhuma de Brasil"
Dilma se enrola e não convence ao tentar explicar por que guarda R$152 mil em casa; assista ao vídeo
Santander vira alvo de petistas após dizer que economia piora com Dilma
Dilma avalia se processará Santander por avaliar que ela é ruim para a economia
Santander pede desculpas por carta sobre candidatura de Dilma
Santander demitiu equipe que previu piora na economia caso Dilma fosse reeleita, diz presidente do PT
Site do PT acusa Santander de fazer “terrorismo econômico”
Santander diz em carta a clientes ricos que economia vai piorar se Dilma vencer
FMI reduz projeção de crescimento do Brasil em 2014 para uma das piores do mundo, contrariando discurso do governo brasileiro
Brasil terá 4º ano seguido de crescimento abaixo da América Latina, prevê Cepal
FMI alerta para fragilidade das contas externas do Brasil e o coloca na lista dos '5 mais frágeis'
'Sou pago para falar o que penso', diz analista de consultoria perseguida e cerceada pelo PT

Idiana Tomazelli; colaboraram Maria Regina Silva e Ricardo Leopoldo, do Estadão Conteúdo, via Exame
Editado por Folha Política
Leia mais notícias do poder e da sociedade em Folha Política
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...