sexta-feira, 22 de agosto de 2014

PF cumpre mandados em empresas de parentes do ex-diretor da Petrobras, Paulo Roberto Costa


Imagem: Daniel Marenco / Folhapress
O cumprimento de mandados de busca e apreensão pela Polícia Federal no Rio, dentro da Operação Lava Jato, tem como objetivo destrinchar uma rede de empresas sediadas no mesmo endereço que têm como clientes empreiteiras prestadoras de serviços à Petrobras e ao setor petroquímico, informou o MPF (Ministério Público Federal) no Paraná.

As empresas são ligadas a Humberto Sampaio de Mesquita, genro do ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa, preso em Curitiba, e a seu sócio Marcelo Barboza Daniel –que está fora do país e contra quem havia um mandado de condução coercitiva (levado a prestar depoimento).

Foi a força-tarefa do MPF que pediu a realização da operação no Rio. Segundo os procuradores, as investigações começaram a partir de transações financeiras entre Mesquita, Daniel e Costa, descobertas em quebras de sigilos do ex-diretor da Petrobras e de seus parentes.

Constatou-se, de acordo com o MPF, que Costa contraiu empréstimo de R$ 1,9 milhão de Daniel, e que Mesquita recebeu doação de R$ 1 milhão.


A partir daí, os procuradores passaram a investigar Daniel, e constataram que ele e Mesquita tinham diversas empresas no mesmo endereço, uma em sociedade.

"Seus clientes consistiriam, basicamente, em construtoras contratadas para a realização de obras pela Petrobras e empresas do setor petroquímico", diz nota do MPF.

Desta forma, as operações financeiras identificadas poderiam, no entender dos promotores, justificar "repasse de valores de propinas para Paulo Roberto Costa".

Procuradores identificaram, ainda, relação entre as empresas de Daniel e Mesquita com documentos anteriormente apreendidos com Paulo Roberto Costa. Um deles é um relatório que, segundo as investigações, pode se tratar de informação do doleiro Alberto Yousseff sobre valores sob administração de Paulo Roberto Costa. Outro é a planilha em que Costa anotava a mão valores e nomes de empresas.

A PF passou a investigar empresas e movimentação financeira do ex-diretor da Petrobras e da família dele depois que as filhas e os genros de Costa foram filmados dentro do elevador carregando documentos do escritório do ex-diretor da Petrobras. 
 
Leia também: 
Justiça decreta quebra de sigilo da Petrobras e de ex-diretor

Costa foi preso em março, três dias depois de deflagrada a primeira fase da Lava Jato, suspeito de ocultar documentos. Parte da papelada que a PF conseguiu apreender dá, segundo investigadores, algumas pistas de como Costa planejava usar familiares em negócios considerados suspeitos. Um dos documentos diz respeito à abertura de empresas em paraísos fiscais em nome da mulher e das duas filhas dele.

Depois de passar 59 dias na cadeia, o ex-diretor da Petrobras foi solto e voltou a ser preso dias depois, dessa vez por risco de fuga. Costa escondeu da polícia que tinha um passaporte português e contas na Suíça com saldo de U$ 23 milhões.

As contas atribuídas a Costa e a seus familiares estavam em nome de empresas estrangeiras sediadas em paraísos fiscais, um recurso usado para dificultar que as autoridades encontrem e sequestrem os valores.
 
Fernanda Odilla
Folha de S. Paulo
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...