sábado, 27 de setembro de 2014

Após manifesto de generais, Dilma volta a ameaçar militares: 'As leis precisam ser cumpridas'


Imagem Ilustrativa: Reprodução/Redes Sociais
Nesta sexta-feira, 27 generais do Exército divulgaram carta com críticas à Comissão da Verdade e ao ministro Celso Amorim. Presidente diz que Estado brasileiro divulgará resposta e que "uma lei foi aprovada pelo Congresso (...) vivemos numa democracia e leis precisam ser sempre cumpridas".


Brasília - A presidente Dilma Rousseff respondeu com irritação ao ser questionada sobre o manifesto assinado por 27 generais de Exército com críticas à Comissão da Verdade e às declarações do ministro da Defesa, Celso Amorim, de que as Forças Armadas aprovaram e praticaram atos que violaram direitos humanos no período militar. No manifesto, os generais, todos integrantes do mais alto posto da Força, disseram que "do Exército de Caxias não virão desculpas". Dilma reagiu declarando que "quem não quiser pedir (desculpas), que não peça". Avisou, no entanto, que haverá um posicionamento do Estado brasileiro porque esta foi uma lei aprovada pelo Congresso. 



Apesar de afirmar que não ia comentar o episódio, a presidente Dilma citou que "acredita piamente na democracia" e que "leis no Estado democrático de direito têm de ser cumpridas". A presidente citou ainda que, quando a Comissão Nacional da Verdade foi formada, estavam presentes na solenidade todos os ex-presidentes da etapa democrática do País. "Então, eu me permito não responder sua pergunta. Só dizer que nós vivemos numa democracia e que leis serão sempre cumpridas", desabafou.

O governo quer evitar, a todo custo, polêmica sobre este tema no meio das eleições presidenciais. Por isso, adiou para o final do ano a conclusão do relatório final pela Comissão Nacional da Verdade. Só que, enquanto isso, os integrantes da comissão estão tentando ouvir militares e visitar quartéis e unidades onde consideram que teriam ocorrido práticas de abuso de direitos humanos. A exigência da comissão de que um pedido de desculpas teria de ser formalizado pelas Forças Armadas irritou os militares, que repudiaram a ideia e emitiram o manifestado publicado pelo Estado. 

Em recente declaração, o coronel reformado Pedro Moézia afirmou que o país caminha, inevitavelmente, para uma guerra civil "sangrenta" e que os militares lutarão com tudo que tiverem em mãos. Assista:



TÂNIA MONTEIRO - O ESTADO DE S. PAULO
COLABOROU RICARDO DELLA COLETTA
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...