quinta-feira, 11 de setembro de 2014

'É preciso ter fé para confiar nas urnas eletrônicas', diz procuradora e professora da FGV


Imagem: Reprodução/Estadão
A professora de Direito da FGV Rio e procuradora Silvana Batini Cesar Góes publicou, no Estadão, um artigo afirmando a necessidade de transparência, garantia e segurança no controle de votações brasileiro.


Leia abaixo:
Urna eletrônica. Transparência é segurança
O Brasil é um dos únicos países cujo sistema de votação eletrônica não prevê uma forma de comprovação individual do voto. Mas há outras formas e alguns países vizinhos têm modelos bastante interessantes.
O comprador insere o cartão de crédito na máquina e o vendedor pergunta: “quer o comprovante do cliente”? O indivíduo hesita, mas leva o comprovante consigo. Afinal, ainda no mês passado um conhecido teve o cartão clonado. Melhor ter o papelzinho na mão.
Veja também:
Assista ao vídeo do 1º Fórum Nacional de Segurança em Urnas Eletrônicas, realizado pelo ICMC/USP
'A urna brasileira tem a mesma falha que adolescentes já tinham descoberto em 1995', diz professor da UnB
'A urna eletrônica brasileira é a mais ultrapassada do mundo', diz especialista que violou o sistema
Grupo hacker diz que urnas eletrônicas do Brasil são propositalmente falhas e acusa vulnerabilidades
94 municípios têm registro de supostas fraudes em urnas eletrônicas em 2012. Veja a lista
Na urna eletrônica, digita os números de seus candidatos e sai sem nenhuma comprovação de que sua vontade foi fielmente registrada no sistema ou se sofreu alguma alteração fraudulenta. Precisa ter fé.
O Brasil é um dos únicos países cujo sistema de votação eletrônica não prevê uma forma de comprovação individual do voto. Esta previsão chegou a ser incluída na lei, mas o STF considerou-a inconstitucional, por violar a regra do voto secreto. De fato, em um país onde a venda de voto e os currais eleitorais ainda são frequentes, imaginar que um eleitor possa sair da urna com o espelho de seu voto pode, de certa forma, incentivar esta prática e garanti-la. Mas há outras formas e alguns países vizinhos têm modelos bastante interessantes.
A questão no Brasil parece simbólica. Migramos, na década de noventa, de um modelo rudimentar de votos em papel para um sistema informatizado e pioneiro. Era arrojado, seguro e genuinamente brasileiro. Desde então, duvidar da sua confiabilidade passou a ser coisa de gente afeita a teses conspiratórias e lendas urbanas.
Os sistemas empregados nas eleições brasileiras são desenvolvidos e supervisionados pelo TSE. Submetem-se a critérios formais de controle e fiscalização por parte da OAB, do Ministério Público e dos partidos políticos. Na semana passada, por exemplo, aconteceu a Cerimônia de Assinatura Digital e Lacração dos Sistemas que rodarão nas Eleições 2014. O objetivo é dar um testemunho público da segurança e da credibilidade dos softwares que serão usados.
Veja também:
Professor doutor da UnB diz que fraude nas urnas eletrônicas é 'plausível e muito séria'; veja entrevista completa
Como funciona o voto impresso
Fabricante das urnas eletrônicas brasileiras é investigada por fraudes em caixas eletrônicos de Bancos
Procurador dos EUA diz que fabricante das urnas eletrônicas brasileiras tem 'padrão mundial de conduta criminosa'
EUA multam Diebold, fabricante das urnas eletrônicas brasileiras, em R$112 milhões por corrupção
Professor da Unicamp cria aplicativo para eleitores fiscalizarem as urnas eletrônicas e pede ajuda
Senadora admite falhas de segurança em urnas eletrônicas
Deputado recebe ameaças de morte após denunciar que urnas eletrônicas brasileiras são uma fraude; veja vídeo
A dinâmica do mundo digital, todavia, parece não se encaixar em esquemas formais de controle. Por este motivo, era saudável a iniciativa que o TSE vinha mantendo de desafiar especialistas a encontrar vulnerabilidades no sistema, tal como vários países ainda fazem. Em 2012 uma equipe da UnB encontrou uma falha que poderia comprometer o sigilo da votação. Nas eleições deste ano não houve desafio.Por enquanto, não há registro de que vulnerabilidades possam comprometer o resultado das eleições. De toda sorte, exigir transparência na condução dos processos de escolha e proteção dos sistemas de votação não significa retrocesso ou alarmismo, muito menos afeição a teses conspiratórias. Também não implica em rejeitar o sistema atual. Mas compará-lo com modelos de outros países e incluir a comunidade científica na crítica pode contribuir para aperfeiçoá-lo.
A expressão da vontade popular pelo voto não pode ser um ato de fé. Não há espaço para dogmas quando se trata de soberania popular.
(*Silvana Batini Cesar Góes é professora da FGV Direito Rio)
Lígia Ferreira
Folha Política
Editado por Folha Política
Leia mais notícias do poder e da sociedade em Folha Política
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...