domingo, 14 de setembro de 2014

Veja as dez "mentiras" que o governo Dilma vem contando, segundo Empiricus


Imagem: Ueslei Marcelino/Reuters/Veja
SÃO PAULO - Em mais uma carta polêmica aos seus clientes, a casa de research Empiricus volta a atacar o atual governo. Desta vez, o sócio-fundador Felipe Miranda diz que as afirmações que o governo Dilma vêm proferindo sobre questões econômicas e financeiras não estão tão corretas quanto se imagina. No final de julho, a Justiça retirou do ar após pedido do PT todas as peças publicitárias da empresa, que, segundo o partido, faziam "terrorismo econômico". 

Na mais recente carta, Miranda aponta as dez "mentiras" que, segundo eles, o governo vem contando à população brasileira. Confira abaixo todos os pontos abordados pela Empiricus:

1) "A crise vem de fora"

Como primeira "mentira", Miranda cita o discurso oficial do governo de que a crise vem de fora, como justificativa da recessão técnica em curso no Brasil. O que ele diz? "Olhando para dados da América Latina, o crescimento econômico do governo Dilma será, na média, dois pontos percentuais menor àquele apresentado por nossos vizinhos, enquanto nos governos Lula e FHC avançamos na mesma velocidade".

Em relação aos países latinos que adotaram políticas econômicas ortodoxas e perseguiram uma agenda de reformas, o quadro é ainda pior: Chile, Colômbia e Peru cresceram 4,1%, 4% e 5,6% ao ano, entre 2008 e 2013. Enquanto isso, a evolução média do PIB brasileiro na administração de Dilma deve ser de 1,7% ao ano. 


2) "A política neoliberal vai aumentar o desemprego"

O segundo ponto é que com o PIB desacelerando por conta da política heterodoxa do governo, cedo ou tarde isso baterá no emprego. "Podemos não conseguir precisar qual a exata função de produção, ou seja, de como o PIB se relaciona com o nível de emprego, mas não há como contestar a existência de relação entre as variáveis", disse.

Segundo Miranda, o crescimento econômico da era Dilma é o menor desde Floriano Peixoto, governo terminado em 1894, subsequente à crise do encilhamento. "Há uma transmissão óbvia desse comportamento para o emprego", disse.

3) "A oposição quer acabar com o reajuste do salário mínimo"

Para ele, essa é mais uma "mentira escabrosa": primeiro porque os dois candidatos da oposição já se comprometeram em manter a política de reajuste de salário mínimo; segundo, pois quando Dilma se coloca como protetora do salário mínimo está simplesmente "contrariando as estatísticas". Isto porque o aumento do salário mínimo foi de 4,7% ao ano entre 1994 e 2002; de 5,5% ao ano entre 2003 e 2010; e de 3,5% ao ano entre 2011 e 2013. 

Ou seja, ele comenta que o reajuste do salário mínimo na era Dilma é menor àquele implementado por Lula e também ao observado no período FHC. 

4) "A política neoliberal proposta pela oposição vai prometer arrocho salarial"

Esse ponto guarda relação com o item anterior, disse. Segundo Miranda, o arrocho salarial já vem sendo promovido pela atual política econômica, por meio da disparidade da inflação.

"O que os 'neoliberais' querem é perseguir aumentos de produtividade maiores e duradouros. Isso permitiria dar incrementos de salário substanciais, sem impactar a inflação. Caso contrário, aumentos do salário nominal serão corroídos pela inflação", comenta.

5) "Programa de Marina reduz a pó a política industrial"

Na carta, Miranda diz que Dilma não precisa dessa preocupação, pois ela mesma já teria feito esse serviço, citando que o Plano Brasil Maior, lançado em 2010 com metas para 2014, não conseguiu entregar sequer um de seus vários objetivos.

Ele ataca dizendo que seria pertinente a candidata à reeleição preocupar-se com a própria política industrial antes de amedrontar-se com o programa alheio. "Quem defende uma política de campeões nacionais, em que se escolhem a priori os vencedores da prática concorrencial desafiando a lógica de mercado, não entende absolutamente nada de empreendedorismo e política industrial", critica.


6) "A política monetária foi exitosa"

Ele questiona como a política monetária foi exitosa sendo que a inflação brasileira tem sistematicamente namorado o teto da meta, de 6,5% em 12 meses, ignorando o princípio básico de um sistema de metas, em que o centro do intervalo deve ser perseguido.

"Transformamos o teto no nosso objetivo e represamos cerca de dois pontos de inflação através do controle de preços de combustíveis, energia e câmbio. Esse é o tipo de êxito que esperamos da política econômica?", questiona.

7) "Precisamos de um pouco mais de inflação para não perder empregos"

Ele comenta que a frase em questão não foi dita ipsis verbis por nenhum membro do governo, mas a julgar pelas decisões e diretrizes da política monetária, parece permanecer o racional da administração petista.

8) "As contas públicas estão absolutamente organizadas. O superávit primário, embora menor do que em 2008, é um dos maiores do mundo. Dizer que há uma desorganização fiscal é um absurdo"

A frase foi dita pelo ministro da Fazenda, Guido Mantega, em entrevista ao Valor. Miranda comenta, no entanto, que o superávit primário do setor público não é somente menor àquele de 2008. No primeiro semestre, foi o menor da história, em R$ 29,4 bilhões. 

9) "Nunca foi feito tanto pelo pobre no País"

Miranda aponta que isso já poderia ser desconfiado pela inflação, que é "um fenômeno essencialmente ruim para as classes mais baixas". "A política econômica heterodoxa não cresce o bolo e também não distribui de forma mais equitativa", critica.

Veja também:
10) "A oposição faz terrorismo eleitoral"

"Se você compactua com os nove pontos anteriores, você é um terrorista eleitoral, egoísta e interessado apenas em si mesmo. Provavelmente, é financiado por um dos candidatos da oposição", comentou.

Enquanto isso, aponta, a situação acusa a candidata da oposição de homofóbica e de semelhanças com Fernando Collor, mas, sim, ele é da mesma parte da base de apoio.. da situação, aponta Miranda.

Paula Barra
Infomoney
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...