quarta-feira, 1 de outubro de 2014

Dilma quer imprensa servil, diz Ricardo Noblat


Imagem: Reprodução
Ricardo Noblat fez um texto para comentar a declaração de Dilma, que disse que "não é função da imprensa fazer investigação", ao comentar graves denúncias sobre corrupção em seu governo, publicadas pela revista Veja. 

Para Noblat, é importante que se preste atenção à declaração da presidente, pois esta mostra desconhecimento da função da imprensa e revela que a presidente gostaria de ter uma imprensa a seu serviço, assim como outros figurões da política brasileira. 
Leia abaixo o texto de Noblat: 
Guardem este frase de Dilma dita, hoje, em Brasília durante encontro com um grupo de jornalistas:
- Não é função da imprensa fazer investigação e sim divulgar informações.
Era razoável imaginar que uma figura pública, ainda mais um presidente, tivesse o mínimo de conhecimento do que seja jornalismo. E de como funciona a imprensa. Mas, não.
Dilma estava particularmente irritada com jornalistas que perguntaram sobre as revelações feitas por Paulo Roberto Costa, ex-diretor da Petrobras, a propósito da corrupção na empresa.
Leia também:
"Não é função da imprensa fazer investigação", diz Dilma sobre o escândalo na Petrobras
Dilma muda discurso sobre papel da imprensa nas investigações
Ao dizer que pedira à Polícia Federal acesso às confissões de Paulo Roberto, e que isso lhe fora negado pela Procuradoria Geral da República, Dilma mostrou-se inconformada. Foi quando cometeu a frase.
Quanta ignorância!
Nem Richard Nixon, o presidente dos Estados Unidos que renunciou ao cargo por que mandara espionar um comitê do Partido Democrata em Washington, disse uma barbaridade dessas.
Nem Fernando Collor, que culpa a imprensa por sua deposição em meio ao mandato de presidente. Collor caiu porque seu governo era corrupto.
Jornalismo é investigação. Você não conta como ocorreu um acidente de carro, por exemplo, sem ouvir eventuais vítimas, testemunhas e a polícia, no mínimo. Se é assim com um mero acidente, quanto mais com um escândalo de grande porte.
Um dos papéis da imprensa é vigiar os poderosos e denunciar seus desmandos. Ela existe – ou deveria existir – para satisfazer os aflitos e afligir os satisfeitos.
O sonho de Dilma, e não somente dela, seria ver a imprensa limitada a publicar declarações e anúncios oficiais. Teve com quem aprender.
Em 2003, Lula, o mentor de Dilma, fez um desabafo que se tornou famoso. Disse:
- Eu não gostaria de ver notícia publicada. Gostaria de ver propaganda publicada.
Em outras palavras: Lula não gosta de jornalismo independente. Prefere jornalismo servil. Ele, Dilma, Renan Calheiros, Collor, Eduardo Cunha et caterva.
Quando quer agradar a imprensa, Dilma repete:
- Prefiro o barulho da democracia ao silêncio da ditadura.
Com o que disse hoje, fica claro que não é bem assim. Ela enxerga a imprensa com os mesmos óculos de Lula.

Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...