segunda-feira, 10 de novembro de 2014

Doleiro confirma elo do mensalão com a Lava Jato


Imagem: Reprodução / Youtube
O doleiro Alberto Youssef, alvo da Operação Lava Jato, confirmou nesta segunda-feira, 10, à Justiça Federal o elo do Mensalão do PT com o esquema de corrupção e propinas na Petrobrás. Ele disse que mantinha uma conta corrente conjunta com o ex-deputado José Janene (PP-PR) – réu do mensalão e que morreu em 2010 -, responsável pela indicação de Paulo Roberto Costa para a diretoria de Abastecimento da estatal petrolífera, em 2004.

Veja a primeira parte do depoimento: 



Youssef declarou que, por orientação de Janene, repassava valores a “agentes públicos, agentes políticos” e usava para isso um segundo doleiro, Carlos Habib Carter, dono do Posto da Torre, em Brasília, para entregar os valores. Ele disse que parte do dinheiro vinha do caixa de construtoras.

O juiz Sérgio Moro, que conduz as ações da Lava Jato, perguntou a ele qual a origem do dinheiro. “Comissionamento de empreiteiras”, declarou Youssef. O juiz perguntou: “Decorrente de contratos com a administração pública, em geral propinas?” Youssef respondeu: “Sim senhor, Excelência.”

Leia também:
Reportagem de capa da revista VEJA expõe que Lula e Dilma 'sabiam de tudo'
Lula sabia de esquema na Petrobras desde 2005, diz doleiro
Doleiro diz que Lula ordenou pagamento a agência que ameaçava denunciar a corrupção
Dono do site Brasil 24/7 aparece em suposta lista de pagamentos do doleiro Youssef
Autoridades dos EUA abrem investigação criminal sobre a Petrobras, diz "FT"
O impeachment é legítimo para demitir governos corruptos, diz Jorge Oliveira
Advogado pode levar petrolão aos tribunais americanos; há recompensas para denunciantes
Investigação nos Estados Unidos atinge a Petrobras
Aécio diz que só haverá diálogo com o governo se houver investigação e punição da corrupção na Petrobras
Youssef afirma que deu R$ 1 milhão para a campanha de Gleisi
Dilma tenta indicar aliado para a relatoria do processo de Pasadena, no TCU
Empresa envolvida no petrolão rompe cartel da Petrobrás e decide cooperar
Na Petrobras, até a mandioca do café da manhã é superfaturada
Mandato 'inédito' de Dilma não poderá esconder a roubalheira, diz Elio Gaspari
Executivo diz que pagou propina a ex-diretor da Petrobras indicado por José Dirceu
Denúncias contra Dilma podem gerar impeachment, diz Ives Gandra Martins

“Tudo o que o seu Janene precisava de recursos ele pedia a mim e eu disponibilizava”, contou Youssef. “Às vezes essa conta ficava negativa, às vezes ficava positiva. Na verdade nessa conta também ia recurso para outras pessoas, não que eu administrasse os recursos dessas outras pessoas, mas eu via esse caixa como caixa do partido, o Partido Progressista.”

O doleiro não citou nome de nenhum agente público ou agente político. Tais nomes ele já citou em acordo de delação premiada que ainda terá de ser homologado pela Justiça.

Youssef é réu em cinco ações penais da Lava Jato na Justiça Federal no Paraná. Em uma ação, ele é acusado de ter participado da lavagem de R$ 1,16 milhão do Mensalão do PT através de investimentos em uma empresa de equipamentos industriais situada em Londrina (PR). A ação penal em que Youssef depôs nesta segunda trata da ligação do doleiro com o ex-deputado Janene e com o doleiro Carlos Habib Charter.

Youssef afirmou que Janene investiu na empresa de Londrina por meio de outra companhia ligada a ele, a CSA Project. Essa firma foi usada para receber recursos do fundo de pensão da Petrobrás, a Petros, alvo da Lava Jato.

Veja também:


Ricardo Brandt, Mateus Coutinho e Fausto Macedo
O Estado de S. Paulo
Editado por Folha Política
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...