sábado, 1 de novembro de 2014

Leis contra a corrupção dos EUA obrigaram a Petrobras a se mexer, explica Reinaldo Azevedo


Imagem: Divulgação
Nesta semana, anunciou-se que a Petrobras decidiu participar do processo de investigação dos escândalos de corrupção. A estatal enviou perguntas a serem feitas ao ex-diretor Paulo Roberto Costa, pedindo esclarecimentos sobre contratos e sobre relações com outros ex-diretores, nomeados por Lula. 

Em sua coluna na Veja, Reinaldo Azevedo explica as motivações do interesse da Petrobras: a empresa de auditoria PricewaterhouseCoopers teria ameaçado de aplicar as leis anticorrupção dos EUA e, caso nada fosse feito, romper o contrato, o que poderia, em último caso, tirar a Petrobras do mercado. 

Leia abaixo a análise de Reinaldo Azevedo:
A Petrobras está numa encalacrada, e a questão, agora, deixou de ser local. Não dá mais para fingir que se investigam isso e aquilo. Já não basta mais à presidente da empresa, Graça Foster, ir ao Congresso e responder a perguntas a que teve acesso previamente, transformando o que deveria ser esclarecimento em pantomima. A seriedade da coisa subiu de patamar. O busílis é o seguinte: a PricewaterhouseCoopers, auditoria responsável por avaliar os balanços da estatal, resolveu pressionar a direção da empresa a aprofundar as investigações das roubalheiras na estatal, segundo critérios das leis anticorrupção dos EUA. Ou a gigante brasileira fazia isso, ou a Price deixaria de analisar seus balanços.
Leia também: 
'Financial Times' destaca corrupção na Petrobras e critica apatia do brasileiro: 'Asfaltada pela corrupção'

E que consequências isso teria? A auditoria informaria ao conselho da Petrobras a sua decisão; se, ainda assim, nada fosse feito, a Price informaria à SEC (órgão que regula o mercado de capitais nos EUA) o rompimento do contrato. Seria um golpe gigantesco na credibilidade da estatal no mercado internacional, isso num momento delicado, em que a empresa depende vitalmente de financiamento externo. Sem a análise do balanço, a Petrobras estaria fora do mercado.
Parece piada, mas é assim: foi preciso que as leis americanas fossem evocadas para que a Petrobras se coçasse e decidisse investigar a sem-vergonhice. Dois escritórios especializados em leis americanas anticorrupção foram contratados: nos EUA, o escolhido foi o Gibson, Dunn & Crutcher. No Brasil, o Trench, Rossi e Watanabe, de São Paulo. Eles vão colaborar com a comissão interna criada pela Petrobras para investigar o caso.
Na mira da comissão interna da Petrobras, estão diretores nomeados por Lula. A comissão pediu ainda autorização à Justiça para ouvir Paulo Roberto Costa sobre a construção da refinaria de Abreu e Lima, informa a Folha:
“A empresa pediu que Costa esclarecesse, entre outras coisas, o teor de reuniões com o ex-presidente da estatal José Sergio Gabrielli e o ex-diretor de Serviços Renato Duque realizadas entre o fim de 2005 e o começo de 2006 sobre Abreu e Lima. A Petrobras quer saber por que, às vésperas da implantação de Abreu e Lima, Costa foi com Gabrielli e Renato Duque a reunião em Brasília. A estatal pede explicações sobre as revisões do valor da obra, que subiu de US$ 4 bilhões para US$ 13,4 bilhões entre 2006 e 2009”.
Leia também:
Petrobras decide participar da investigação e envia perguntas sobre diretores nomeados por Lula
Senado convida Graça Foster para explicar contrato de compra de gás da Bolívia
Na Petrobras, até a mandioca do café da manhã é superfaturada
Mandato 'inédito' de Dilma não poderá esconder a roubalheira, diz Elio Gaspari
Executivo diz que pagou propina a ex-diretor da Petrobras indicado por José Dirceu
Executivo de empresa envolvida no 'petrolão' também faz acordo de delação premiada
Petrobrás contrata empresas para investigar denúncias de corrupção
Lula sabia de esquema na Petrobras desde 2005, diz doleiro
Doleiro diz que Lula ordenou pagamento a agência que ameaçava denunciar a corrupção
Doleiro Yousseff promete entregar à Justiça números de contas secretas do PT em paraísos fiscais

Essa informação é pública há muito tempo. Só agora o comando da Petrobras resolveu cobrar explicações. E só o fez porque a Price exigiu.
Que coisa, né? Quem sabe o fato de o mercado ser globalizado — e de as leis americanas serem bastante severas com corruptos — possa fazer bem ao Brasil. A Price obriga agora a Petrobras a fazer o que já deveria ter sido feito há muitos anos, não é, governanta? Que ironia! Quem sabe as leis contra a corrupção dos EUA ainda acabem fazendo bem aos brasileiros.

Veja também: 


Luciana Camargo
Editado por Folha Política
Leia mais notícias do poder e da sociedade em Folha Política
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...