quinta-feira, 20 de novembro de 2014

Na véspera das prisões, empreiteiras tentaram acordo com o Ministério Público


Imagem: Reprodução / Blog do Coronel
Advogados das cinco maiores empreiteiras do país buscaram fechar um acordo coletivo considerado "imoral" pelo Ministério Público Federal (MPF), na véspera da deflagração da sétima fase da operação Lava-Jato, que levou 23 pessoas à prisão e contou com dezenas de ações de busca e apreensão em cinco Estados e no Distrito Federal.



Na quinta-feira que antecedeu a etapa Juízo Final da investigação, advogados da Odebrecht, OAS, Camargo Corrêa e de duas outras construtoras de grande porte compareceram juntos ao prédio da força-tarefa em Curitiba. Os defensores insistiram na proposta de estabelecer um acordo conjunto. A resposta dos procuradores foi negativa."Todos se reuniram conosco ao mesmo tempo. Expuseram suas propostas. Nós as ouvimos. E dissemos obrigado, mas não", disse um dos investigadores.

Leia também:
Protógenes afirma que juiz da Lava Jato é ameaçado e denuncia aparelhamento do STF e do STJ
"O impeachment de Dilma é uma questão de tempo", diz Bernardo Santoro
Não se faz obra pública no Brasil sem acerto, diz advogado de lobista
Collor caiu por muito menos que o petrolão, lembra Rodrigo Constantino
Lava Jato pode ter atingido também a concessão de aeroportos
Empreiteiras terão de devolver dinheiro para tentar acordo com a CGU
Atual diretoria da Petrobras é ligada a acusados
Marina e Aécio ironizam Dilma por declarações sobre o Petrolão

O advogado da Camargo Corrêa, Celso Vilardi, confirmou ao Valor PRO, serviço de informação em tempo real do Valor, a realização do encontro: "Buscávamos um acordo. Mas o Ministério Público não o quis."

Para os integrantes da força-tarefa da Lava-Jato, acordo sem assumir a culpa é sinônimo de impunidade. "Talvez daqui a 50 anos, se o Brasil mantiver seu desenvolvimento, isso seja possível. Mas hoje é moralmente impossível fechar um acordo nestes termos", avalia um integrante da investigação. "Além do fato de juridicamente não ter base legal. Na nossa opinião é imoral", completa.

Também estiveram na reunião a advogada Dora Cavalcanti Cordani, representando a Odebrecht e o advogado Roberto Telhada, que atua na defesa de executivos da OAS. Dora trabalha em conjunto com o ex-ministro da Justiça Márcio Thomaz Bastos. Ele advoga para a Odebrecht e a Camargo Corrêa. Procurados pela reportagem, Dora e Telhada não retornaram os telefonemas. No encontro do dia 13 de novembro não se chegou a discutir o valor de uma eventual multa, porque "a conversa não avançou a este ponto", diz uma fonte que participou da tentativa de acordo.

O Valor PRO apurou que os defensores estavam autorizados a chegar, no caso do fechamento de um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) coletivo, até a cifra de R$ 1,2 bilhão. No entanto, os advogados não prescindiram de livrar os executivos e as empreiteiras das respectivas sanções judiciais.

Veja também: 


Valor
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...