segunda-feira, 10 de novembro de 2014

No regime aberto, Dirceu deixa trabalho em escritório de advocacia


Imagem: André Coelho / O Globo
O ex-ministro da Casa Civil José Dirceu, condenado no mensalão e que cumpre pena em regime aberto desde terça-feira, desligou-se do trabalho no escritório do advogado José Gerardo Grossi, onde vinha dando expediente desde que obteve o direito ao trabalho externo. Dirceu, no novo regime, tem 90 dias para indicar qual atividade profissional vai desempenhar.

O advogado de Dirceu, José Luis Oliveira, afirma que a saída de Dirceu foi normal com a progressão para o regime aberto.

- O compromisso de trabalhar com o Grossi era no tocante ao regime semiaberto - disse Oliveira.

Leia também: 

Na quarta, Dirceu não compareceu ao escritório de Grossi. Para o advogado de Dirceu, não houve ilegalidade:

- Óbvio que ele parou de trabalhar. Não tem nenhum descumprimento, nenhuma ilegalidade. Faltou porque não tinha que ir.

Uma das regras para o regime semiaberto é não se ausentar do Distrito Federal sem prévia autorização da Vara de Execuções Penais e Medidas Alternativas (Vepema), a não ser para cidades do entorno - cidades goianas próximas ao DF -, devendo estar em casa até às 21h00.

Dirceu, condenado a 7 anos e 11 meses de prisão por corrupção ativa no processo do mensalão, ganhava R$ 2,1 mil por mês para organizar a biblioteca do escritório do advogado criminalista José Gerardo Grossi. O ex-ministro poderia renegociar o horário de expediente, que antes era fixo: das 9 às 17h, de segunda a sexta-feira.

Na primeira tentativa para trabalhar no regime semiaberto, Dirceu recebeu uma proposta para ser gerente administrativo no Hotel Saint Peter, em Brasília, onde receberia R$ 20 mil por mês. O hotel havia assinado a carteira de trabalho de Dirceu em 22 de novembro. Mas, após uma série de denúncias contra o hotel, Dirceu abriu mão do emprego.

Veja também: 


Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...