segunda-feira, 3 de novembro de 2014

ONG Escola sem Partido ganha adeptos por leis contra ideologização partidária nas escolas


Imagem: Reprodução / Redes Sociais
O pontapé legislativo surgiu no Rio com um projeto de lei (2974/14), do deputado estadual Flávio Bolsonaro – filho do deputado federal Jair Bolsonaro – cujo texto proíbe a ideologização partidária na grade curricular e em materiais didáticos.


A tutela é da ONG Escola sem Partido (www.escolasempartido.org) e, embora o texto do projeto não exemplifique, o movimento é uma blindagem contra possíveis intervenções de secretarias municipais, estaduais ou até mesmo do Ministério da Educação que possam sugerir a ideologia de gênero ou a ideologia política na grade curricular dos ensinos básico e médio. Ou até barrar a volta do polêmico 'Kit  Gay', um projeto do MEC que esbarrou na força da bancada cristã e fez a presidente Dilma enquadrar o ministério.

Leia também: 
Tarefa escolar com os símbolos do PT causa revolta entre os pais
ONG denuncia "dominação de esquerda" nas salas de aula
Das 6 mil creches e pré-escolas prometidas por Dilma, apenas 379 foram entregues
Auditoria aponta descontrole dos gastos públicos no Pronatec, vitrine de Dilma
Brasil fica de novo fora do 'top 200' de ranking das melhores universidades
Há alguns anos esquentou o embate entre grupos feministas e liberais contra os grupos direitistas, conservadores e cristãos. Os primeiros pregam a ideologia de gênero como fundamental para que a criança, desde cedo na escola, aprenda a respeitar as opções sexuais de colegas. Já os cristãos enxergam nisso um claro direcionamento para opção sexual, em se tratando de ensino e material didático voltado para crianças, com o caráter em formação – argumento que convenceu o governo a frear iniciativas do tipo.

Os envolvidos na ONG pretendem apresentar a proposta, se passar na Assembleia Legislativa do Rio, como um padrão de lei a ser indicada para governos dos Estados. O anteprojeto já foi enviado, inclusive, a dezenas de prefeituras do País.

Flávio Bolsonaro contou com a orientação do advogado Miguel Nagib, e do assessor parlamentar em Brasília Paulo Fernando Melo.

Veja também:








Leandro Mazzini
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...