segunda-feira, 3 de novembro de 2014

Prestes a ser cassado, André Vargas faz reunião com petistas


Imagem: André Coelho / O Globo
Um dia antes da data prevista para que a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara analise um recurso contra um pedido de cassação aprovado pelo Conselho de Ética, o deputado federal André Vargas (sem partido-PR) se reuniu nesta segunda-feira, 3, com colegas da sua antiga legenda, na sede do PT em Brasília.



Vargas relatou que foi ao diretório petista nesta segunda-feira com os também deputados Vicentinho (SP), líder do PT na Casa, e José Guimarães (PT-CE). O parlamentar, acusado de envolvimento com o doleiro Alberto Youssef, principal alvo da Operação Lava Jato, da Polícia Federal, esteve no diretório petista no mesmo horário de uma reunião da Executiva Nacional da legenda.

Leia também:
Revista IstoÉ denuncia como o 'Petrolão' abasteceu a campanha de aliados de Dilma
Contadora de doleiro fala em 'malas de dinheiro' para políticos
Relator pede cassação do mandato de Vargas por elo com doleiro

Ao Broadcast Político, serviço de notícias em tempo real da Agência Estado, Vargas afirmou que tratou com os antigos correligionários de assuntos diversos e negou que seu antigo partido esteja tentando blindá-lo no processo de cassação que enfrenta no Legislativo. "Isso não está acontecendo. A direção do PT pediu o meu mandato", afirmou. Vargas também conversou nesta segunda com os deputados petistas Policarpo (DF) e Rogério Carvalho (SE).

Nesta terça, a CCJ deve votar um recurso em que a defesa do parlamentar contesta o pedido de cassação aprovado pelo Conselho de Ética da Casa. O relator do caso na CCJ, deputado Sérgio Zveiter (PSD-RJ), elaborou um parecer negando o recurso. Caso seja este o entendimento da comissão, a perda do mandato do ex-petista, que não disputou a reeleição por ter se desfiliado do partido, irá para o Plenário da Câmara.

A ligação de Vargas com o doleiro veio a público quando foi revelado, em abril deste ano, que ele pegou carona em um jatinho de Youssef. Nas investigações, ele é apontado ainda como o responsável por indicar um ex-assessor do Ministério da Saúde para trabalhar no Labogen, laboratório que, de acordo coma a PF, centralizava o esquema de lavagem de dinheiro de Youssef. Vargas nega ter intermediado essa indicação.

Vargas era vice-presidente da Câmara e renunciou ao posto depois das revelações. Temendo danos eleitorais às campanhas da presidente Dilma Rousseff e dos candidatos petistas no Paraná, Gleisi Hoffmann, e em São Paulo, Alexandre Padilha, a direção do PT pressionou Vargas a também abrir mão do mandato. Ele acabou pedindo desfiliação do partido, em abril. 

Veja também: 


Ricardo Della Coletta e Vera Rosa 
O Estado de S. Paulo
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...