quarta-feira, 10 de dezembro de 2014

BNDES pode ser obrigado a divulgar empréstimos, inclusive para Cuba, na internet


Imagem: Reprodução / Estadão
O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) será obrigado a divulgar na internet todas as suas operações de empréstimos e financiamentos a partir do ano que vem. A previsão consta do parecer da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2015 apresentado pelo senador Vital do Rêgo (PMDB-PB).


Se aprovada pelo Congresso Nacional, a medida vai dar maior transparência às operações do banco, que desde 2009 vem recebendo aportes bilionários do Tesouro Nacional, mas resiste a divulgar os dados.

O relatório de Vital determina que o BNDES e as agências financeiras de fomento deverão publicar, bimestralmente, um demonstrativo que discrimine financiamentos a partir de R$ 500 mil concedidos a Estados, Distrito Federal, municípios e governos estrangeiros. Nesse demonstrativo, serão obrigados a informar o ente beneficiário e a execução física e financeira do empreendimento. Essas informações devem constar das páginas eletrônicas dos respectivos órgãos. A mudança foi incluída pelo relator da LDO de 2015 por conta própria, sem aval do governo.

Veja também:
Dilma repassou mais de R$7 bilhões para Angola; um dos 'chefes' do país gasta até R$250 mil por garota de programa
Dilma investiu 15 vezes mais em portos cubanos que em brasileiros em 2013, aponta Coutinho
Dilma anuncia mais R$595 milhões do Brasil para porto cubano
Lula defende Maduro: 'Muito bem intencionado e quer o melhor para a Venezuela'
Cuba oferece aos EUA Porto de Mariel, erguido pelo Brasil
Procuradoria e Polícia Federal investigam empréstimo brasileiro a Cuba
Rússia quer reativar posto de espionagem da era soviética em Cuba, diz fonte
Brasil dará crédito de U$176 milhões a Cuba para modernizar aeroportos
Sininho e outros 'ativistas' presos fazem gesto de mensaleiros e cantam 'sou comunista até morrer'; assista ao vídeo
'O governo do Brasil fez papel de bobo', diz colunista do UOL sobre leilão de porto cubano financiado pelo Brasil
Em reunião de partido, Maduro promete 'radicalizar' revolução
'Agora é oficial: Argentina já está sob regime socialista', diz Rodrigo Constantino

O relator também incluiu no substitutivo, que terá que ser votado até o fim do ano, a exigência de que as novas medidas do governo que gerem renúncia de arrecadação terão de ter cláusula de vigência de, no máximo, cinco anos. O Congresso só poderá aprovar um projeto de lei ou Medida Provisória que contenha essa cláusula. A medida vale para renúncias geradas por medidas tributárias, financeiras, de crédito e patrimonial. 

Outro dispositivo colocado no substitutivo pelo relator obriga os parlamentares a só aprovarem projetos ou MPs que contenham a estimativa do impacto na arrecadação de impostos, devidamente justificada. A medida reforça os instrumentos de controle das desonerações tributárias que afetaram a coleta de impostos da União e contribuíram para a piora das contas públicas este ano.

Sonegação. O Estado revelou que o BNDES "sonega" informações a órgãos de fiscalização, como o Tribunal de Contas da União (TCU), o Ministério Público Federal e a Controladoria Geral da União (CGU), sob a alegação de que tais informações estão protegidas pelo sigilo bancário.

Em agosto, a Justiça Federal em Brasília condenou o banco a tornar públicas todas as operações de empréstimos e financiamentos feitas pela instituição que envolvam recursos públicos nos últimos 10 anos. Na ocasião, o banco informou que iria recorrer da decisão judicial.

Veja também: 


Ricardo Brito e Adriana Fernandes
O Estado de S. Paulo
Editado por Folha Política
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...