terça-feira, 23 de dezembro de 2014

Cubanos nos EUA discordam de retirar Cuba de lista terrorista, diz pesquisa


Imagem: RIA Novosti
A maioria dos cubanos exilados nos Estados Unidos não concorda que o governo do presidente Barack Obama revise a inclusão de Cuba na lista de países que considera patrocinadores do terrorismo, segundo uma pesquisa divulgada neste sábado.


Um levantamento nacional publicado por The Miami Herald e Tampa Bay Times indica que 60% dos cubanos residentes nos EUA repudiam que o secretário de Estado, John Kerry, analise a possibilidade de retirar Cuba da lista de países que os Estados Unidos consideram patrocinadores do terrorismo.

Leia também:
Professor universitário é ofendido e humilhado por militantes após criticar comunismo; assista
Governo cubano determina que médicas grávidas são obrigadas a fazer aborto para continuarem no Brasil, diz IstoÉ
Cubano enfrenta tubarões e faz travessia de 4 dias em prancha de windsurf para fugir para os EUA
Patrimônio de deputada do Partido Comunista do Brasil cresceu 1200% em 4 anos
Aeroportos cubanos receberão US$ 150 milhões do BNDES
'Se R$ 700 dá para sustentar família, deputado tem que ganhar isso', diz Zé Maria, candidato à presidência; veja
Black Bloc preso em manifestação diz que participou das FARC, assume ser comunista, defende Stálin e diz que vai lutar pela Rússia
Universidade do governo terá aulas de marxismo
Sininho e outros 'ativistas' presos fazem gesto de mensaleiros e cantam 'sou comunista até morrer'; assista ao vídeo
Candidata do PSTU diz que o partido está se preparando para fazer uma 'revolução armada' e tomar o poder
Fernanda Andrade denuncia envolvimento de Luciana Genro com regimes autoritários e expõe a ditadura cubana; assista
Coreia do Norte admite existência de campos de concentração para ‘reformar’ cidadãos

A pesquisa, que entrevistou 400 cubanos residentes nos EUA, a metade deles na Flórida, mostra que cerca de 22% são a favor da revisão, após Obama anunciar nesta semana o restabelecimento das relações diplomáticas com o governo de Cuba, rompidos desde 1961.

O estudo da consultoria Bendixen & Amandi International indica que, em relação ao anúncio de Obama de normalizar as relações com Cuba, os cubanos no país estão bem divididos, com 48% em desacordo e 44% a favor.

Além disso, 50% dos entrevistados, contra 39%, são a favor do estabelecimento de um consulado na cidade de Miami, no condado de Miami-Dade, onde se concentram muitos dos cubanos que vivem nos EUA, e cujo prefeito, Tomás Regalado, já manifestou publicamente ser contra essa possibilidade.

Para Fernand Amandi, encarregado do estudo, além de dados concretos a pesquisa mostra a existência de dois tipos de exilados cubanos, um com forte engajamento político, que emigrou antes do êxodo do porto de Mariel, em 1980, e outro mais jovem, qualificado como um imigrante econômico.

Leia também:

"Uma é a comunidade de exilados mais velha, que durante anos dominou a discussão sobre Cuba. Outra é a geração mais nova, a comunidade cubano-americana do presente e o futuro", afirmou Amandi, em declarações ao The Miami Herald.

A primeira manifestação contra a decisão do presidente Obama organizada pelo exílio cubano, e programada para este sábado em Miami, servirá para medir o impacto do anúncio sobre os exilados mais jovens.

A concentração ocorrerá a partir das 17h00 (horário de Brasília) no Jose Marti Park. A mobilização foi coordenada pela Assembleia da Resistência Cubana, integrada por 50 de grupos de dentro e fora da ilha, para expressar o repúdio às "concessões feitas pela administração de Obama ao regime totalitário do general Raúl Castro". 

Veja também: 


Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...