domingo, 25 de janeiro de 2015

Clientes de Dirceu pretendiam lotear Pasadena


Imagem: Fábio Rodrigues Pozzebom / ABr
Depoimento prestado pelo ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa revela que as construtoras Odebrecht e UTC, esta última cliente da consultoria do ex-ministro José Dirceu entre 2009 e 2013, seriam contratadas caso o processo de reforma e ampliação da Refinaria de Pasadena, no Texas (EUA), fosse adiante. Segundo o delator, “a contratação, provavelmente, seria coordenada pela Diretoria de Serviços, ocupada por Renato Souza Duque”. Preso na Lava-Jato e solto por força de habeas corpus, Duque foi indicado para a diretoria em questão por Dirceu.


De acordo com as investigações da Operação Lava-Jato, a JD Assessoria e Consultoria recebeu, entre 2009 e 2013, R$ 3,761 milhões das construtoras Galvão Engenharia, OAS e UTC Engenharia. Executivos das três empresas foram presos na sétima fase da Lava-Jato, deflagrada em novembro do ano passado. O termo de colaboração foi prestado por Paulo Roberto Costa em 7 de setembro.

Leia também: 
‘O governo Dilma é o mais corrupto da história do Brasil’, diz historiador e analista político; veja
Tesoureiro do PT foi exonerado de Itaipu um dia após empreiteiro revelar que dinheiro do petrolão ia para os partidos
Elo de Dirceu com Lava Jato surgiu em varredura contra crimes tributários

No mesmo depoimento, o ex-diretor afirma que o acerto prévio foi informado a ele por Márcio Faria e Rogério Araújo, da Odebrecht, e Ricardo Pessoa, da empreiteira UTC. À Polícia Federal, Costa deu a mesma versão do ex-diretor da Área Internacional Nestor Cerveró sobre a diminuição de investimentos na refinaria após a aquisição. 

Declarou que, “depois da descoberta do pré-sal, a prioridade de investimentos passou a ser a exploração e a produção deste, e Pasadena ficou em segundo plano”. Segundo Costa, “houve orientação do Conselho de Administração para reduzir os investimentos na área externa”. Por isso, a reforma e a ampliação da refinaria não chegaram a ser realizadas.

A Justiça Federal determinou a quebra do sigilo bancário e fiscal do ex-ministro, que cumpre pena, em regime aberto, por condenação no processo do mensalão. O petista é investigado na Operação Lava-Jato. 

Duque, que teria acertado a contratação antes mesmo de qualquer definição sobre a ampliação da planta em Pasadena, que poderia chegar a até US$ 2 bilhões, era “o homem do PT” na engrenagem da corrupção na Petrobras. 

O ex-gestor fez carreira na estatal. Engenheiro, entrou na empresa em 1978, mas foi no governo Lula, pelas mãos do ex-ministro José Dirceu, que alcançou o alto escalão da petrolífera. Em 2003, no primeiro ano do PT à frente do Palácio do Planalto, virou diretor e passou a chancelar contratos de empreendimentos bilionários, a exemplo da Refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco.


Leia também: 

As investigações apontam que o ex-diretor fazia parte de um esquema que consistia no direcionamento de obras a um cartel das grandes empreiteiras, que inseriam sobrepreço nos contratos para depois distribuir comissões ao PT, ao PMDB e ao PP, que, inclusive, teriam usado o dinheiro na campanha eleitoral de 2010. Na Diretoria de Serviços, Duque fazia a ligação com o tesoureiro dos petistas, João Vaccari. Em depoimento à Justiça Federal, Paulo Roberto Costa citou nominalmente o então colega. “Na área de Serviços, era o diretor (Renato) Duque, que foi indicado, na época, pelo ministro da Casa Civil, José Dirceu.”

Ao lado de Paulo Roberto Costa, Duque era responsável por contratações e compras da petrolífera. No interrogatório na Justiça Federal do Paraná, Costa delatou que os pagamentos de propina de 3% destinados a políticos existiam em todas as diretorias.

Consultorias Ontem, em nota, a assessoria de José Dirceu comunicou que “a JDA prestou consultorias às empresas UTC, OAS e Galvão Engenharia, conforme contratos, para atuação em mercados externos, sobretudo na América Latina e na Europa”. O ex-ministro ressalta que “a relação comercial com as empresas não guarda qualquer relação com contratos na Petrobras sob investigação na Operação Lava-Jato”. Dirceu ainda se colocou à disposição da Justiça para prestar qualquer esclarecimento. As empreiteiras citadas negam as irregularidades apontadas por Paulo Roberto Costa.

Veja também: 



João Valadares
Estado de Minas
Editado por Folha Política
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...