terça-feira, 27 de janeiro de 2015

Documentos revelam que mais de 30 hidrelétricas já deveriam estar prontas


Imagem: ABr
A estiagem no sudeste e a crise hídrica estavam entre os assuntos de um encontro de ministros, nesta sexta-feira (23), em Brasília. Depois da reunião, a ministra do meio ambiente, Izabela Teixeira, disse que a situação é sensível e que é preciso poupar água e energia.

A reunião, na Casa Civil, entre sete ministros e técnicos foi para analisar a situação dos reservatórios de água no país e das hidrelétricas.

O governo já admitiu que se os reservatórios das usinas chegarem a 10% da capacidade, o país enfrentará um grave problema no setor de energia.

Os principais reservatórios nas regiões Nordeste, Sudeste, Centro-Oeste estão com pouco mais de 17% da capacidade.

Leia também: 

Nesta sexta-feira (23), o jornal Valor Econômico destacou que se pelo menos 30 usinas previstas desde 2006 tivessem sido construídas, a oferta de energia subiria 10%.

A lista tem 32 hidrelétricas, em todas as regiões. Pelo planejamento traçado em 2006, uma deveria ter começado a funcionar em 2009; cinco em 2010; quatro em 2011; catorze em 2012; cinco em 2013; e três, no ano passado. Se todas tivessem entrado em operação, gerariam mais de onze mil megawatts.

Mas ao longo desses oito anos, o governo fez um novo planejamento: incluiu outras usinas e dessa lista de 32, licitou e contratou apenas seis. Atualmente, duas estão em andamento: São Roque, em Santa Catarina, e Belo Monte, no Pará. As outras quatro não foram iniciadas ou estão paradas por problemas no licenciamento e por questões ambientais. 

Um especialista diz que o governo não errou no planejamento das obras, mas sim no acompanhamento e na execução. Defende que obras de médio porte tenham mais espaço daqui pra frente. Mas a curto prazo, ele diz que não há saída: é preciso que o volume de chuva aumente. E acredita que é hora de uma campanha para reduzir o consumo de energia.

“Tem que ser uma campanha de contribuição da população para esse desempenho, do ponto de vista do mercado, ou então uma redução obrigatória do mercado. Seria bom que fosse feito imediato”, aponta João Carlos Mello, Consultoria Thymos Energia.

No fim do dia, a ministra do Meio Ambiente falou sobre a reunião no planalto. Disse que o Governo Federal vai agir em parceria com os governos estaduais que já enfrentam dificuldades com abastecimento de água, como São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais. Disse que a situação hídrica atual é atípica, a pior seca em 84 anos. Descartou racionamento. Mas convocou a população a ajudar.

“É importante poupar água. É importante poupar energia, porque nós temos que ajudar numa situação completamente atípica. Ajudar a quem está operando sistemas para que a gente possa efetivamente lidar, da melhor maneira possível, com essa crise de água no Brasil, que o Brasil está enfrentando na Região Sudeste”, declarou a ministra.

Veja também: 


G1
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...