quinta-feira, 15 de janeiro de 2015

Órgão de inteligência descobre operação suspeita do tesoureiro do PT


Imagem: JF Diório / Estadão
Relatório do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) entregue aos investigadores da Operação Lava Jato, que desmontou esquema de corrupção na Petrobrás, registrou uma movimentação considerada suspeita em 2009 de R$ 18 milhões envolvendo o Sindicato dos Bancários de São Paulo, ligado à CUT, a Bancoop, cooperativa criada pela entidade cujo presidente era o atual tesoureiro nacional do PT, João Vaccari Neto, e a Planner Corretora de Valores.

Em 23 de novembro de 2009, a Bancoop recebeu R$ 18.158.628,65 do Sindicato dos Empregados de Estabelecimentos Bancários de São Paulo, informou o Coaf, órgão de inteligência do Ministério da Fazenda. “Na mesma data, foram transferidos R$ 18.151.892,51 para a empresa Planner Corretora de Valores”, registra o documento enviado à Polícia Federal e anexado ao processo em que foi decretada a prisão preventiva de Nestor Cerveró, ex-diretor de Internacional da Petrobrás.


No relatório do Coaf, a movimentação financeira de 2009 da Bancoop foi classificada como suspeita. “Contas que não demonstram ser resultado de atividades ou negócios normais, visto que utilizadas para recebimento ou pagamento de quantias significativas sem indicação clara de finalidade ou relação com o titular da conta ou seu negócio.”

Imagem: Reprodução


O documento do Coaf foi feito a pedido dos investigadores da Lava Jato e tem como alvo do monitoramento bancário Vaccari, Cerveró e Renato Duque, ex-diretor de Serviços da estatal. O tesoureiro do PT foi apontado na Justiça Federal por dois delatores do processo como operador do esquema de propina na Petrobrás, entre 2004 e 2012. Pelo menos 22 empresas, agindo em cartel, pagavam propinas de 1% a 3% para agentes públicos e políticos em troca de contratos bilionários, segundo a Procuradoria da República.

Vaccari teria movimentado propina via Diretoria de Serviços. Ele e a cunhada, Marice Correa de Lima, são também investigados como supostos recebedores de valores pagos por uma das construtoras do cartel de 22 empreiteiras alvo da Lava Jato, a mando do doleiro Alberto Youssef.

O nome do tesoureiro do PT aparece também na Lava Jato em um negócio suspeito envolvendo membros do partido e investimentos feitos pelo fundo de pensão da Petrobrás, Petros, em uma empresa de fachada ligada ao doleiro.

Caso Bancoop. Vaccari, que era dirigente da Bancoop em 2009, é réu em processo criminal aberto em 2010, pela Justiça em São Paulo. Nele, os dirigentes da cooperativa são acusados de desvio de recursos e prejuízo de mais de R$ 100 milhões. Parte desse dinheiro teria irrigado campanhas do PT, segundo a Promotoria.

Leia também: 

O processo acusa o atual tesoureiro do PT e outros diretores da cooperativa – criada pelo sindicato dos bancários, que teve Vaccari como dirigente, em 1996 – por estelionato, formação de quadrilha, falsidade ideológica e lavagem de dinheiro. Pelo menos 8 mil pessoas foram prejudicadas.

A Planner, que em novembro de 2009 recebeu os R$ 18 milhões comunicados pelo Coaf, foi a corretora que atuou na capitalização da Bancoop, a partir de 2004, por meio de um fundo de investimentos, que recebeu aportes milionários de fundos de pensão de órgãos federais.

Parte dos recursos, segundo o processo, foram desviados por meio de empresas de fachada criadas. A Bancoop quebrou, deixando uma dívida milionário para cooperados e investidores. Investigadores da Lava Jato buscam saber se há relação entre o caso Bancoop, a movimentação dos R$ 18 milhões, em 2009, e o esquema de propina que teria operado na Petrobrás, entre 2004 e 2012.

Vaccari nega qualquer relação com os esquemas de corrupção na Petrobrás. Ele também nega desvios de recursos da Bancoop. Procurado na noite desta quarta feira, 14, ele não foi encontrado.

COM A PALAVRA, A BANCOOP:

Por meio de nota, a Bancoop informou que a movimentação financeira de 2009 apontada pelo Coaf teve o objetivo de liquidar um Fundo de Investimentos em Direitos Creditórios e que a operação foi considerada regular pela Comissão de Valores Mobiliários. Abaixo, a íntegra da nota:

“Em 2004, a Bancoop Cooperativa Habitacional dos Bancários de São Paulo (Bancoop) levantou recursos financeiros por meio de um Fundo de Investimentos em Direitos Creditórios (FIDC Bancoop I) para arcar com custos já incorridos e adiantar a construção de empreendimentos da cooperativa.
O FIDC Bancoop I era administrado pela corretora Planner e foi liquidado em novembro de 2009, após a cooperativa ter adquirido um empréstimo junto ao Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região, documentado em um contrato de mútuo, devidamente contabilizado, auditado e aprovado. Os recursos citados no Relatório de Inteligência Financeira do DPF foram destinados à liquidação do FIDC Bancoop I pela cooperativa.
A Comissão de Valores Mobiliários (CVM), responsável pela fiscalização e acompanhamento deste tipo de fundo, apontou que não existe qualquer irregularidade com o FIDC Bancoop I, que já foi objeto de análise pelo Tribunal de Contas da União (TCU).
A Justiça Federal também analisou o FIDC Bancoop I e por sugestão do delegado da Polícia Federal (PF) e requerimento do Ministério Público Federal (MPF), o inquérito foi arquivado por determinação judicial depois de ser constatado que não houve irregularidades contra o sistema financeiro nacional.
A Bancoop foi criada por militantes do Sindicato dos Bancários com o objetivo de atender a demanda por moradia entre os bancários, com construção a preço de custo. A maior parte dos associados da cooperativa é constituída por bancários da base sindical do Sindicato dos Bancários, que é solidário à cooperativa desde a criação da mesma.
Estamos à disposição para outros esclarecimentos sobre o assunto.
Cooperativa Habitacional dos Bancários de São Paulo”

COM A PALAVRA, O SINDICATO DOS BANCÁRIOS DE SP

“O Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e região, por meio de sua diretoria, esclarece que a Cooperativa Habitacional dos Bancários (Bancoop) foi criada em 1996 por militantes bancários do Sindicato com objetivo de constituir uma cooperativa habitacional para atender uma demanda por moradia a preço de custo.
A operação realizada em 2009 trata-se de um empréstimo feito à cooperativa, conforme esclarecimentos enviados nesta quinta-feira (15) em nota à imprensa pela Bancoop. Todas as transações foram documentadas em um contrato de mútuo, devidamente contabilizado.”

Veja também: 








Ricardo Brandt e Fausto Macedo
O Estado de S. Paulo
Editado por Folha Política
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...