sexta-feira, 20 de fevereiro de 2015

Dilma defende acordo de leniência com empreiteiras


Imagem: Reprodução / Redes Sociais
A presidente Dilma Rousseff defendeu nesta sexta-feira que as empreiteiras envolvidas no propinoduto da Petrobras sejam poupadas de sanções para não afetar a criação de empregos e a renda dos brasileiros. Para ela, as punições devem ser aplicadas aos executivos dessas empresas envolvidos em desvios de recursos públicos. "Iremos tratar as empresas tentando, principalmente, considerar que é necessário criar emprego e gerar renda no Brasil. Isso não significa de maneira alguma ser conivente ou apoiar ou impedir qualquer investigação a quem quer que seja, doa a quem doer", afirmou.


Construtoras investigadas por desvios em contratos e pagamento de propina têm procurado a Controladoria-Geral da União (CGU) para propor um acordo de leniência. Na prática, o pacto permitiria a manutenção de contratos com o governo em troca da colaboração nas investigações.

Leia também: 


Dilma também repetiu a tradicional cantilena petista de culpar o governo Fernando Henrique Cardoso por não ter iniciado uma investigação sobre os desvios na Petrobras na década de 1990. Ela voltou a dizer que quem praticou "malfeitos" foram funcionários da Petrobras, e não a empresa, e que por isso a estatal não pode ser punida.

IR – A presidente reforçou também que não pretende recuar do veto à proposta que corrige em 6,5% a tabela do Imposto de Renda (IR), como aprovou o Congresso. "O meu compromisso é 4,5%. Se por algum motivo não quiserem os 4,5%, nós vamos ter de abrir um processo de discussão novamente", disse.

Os deputados e senadores podem derrubar o veto da presidente no Congresso Nacional na próxima semana.

Pela regra defendida por Dilma, a isenção alcançaria os contribuintes que ganham até 1.868,22 reais por mês. Já o reajuste aprovado pelo Congresso tornaria isentas as pessoas com renda mensal de até 1.903,98 reais. O índice de correção também teria impacto sobre as outras faixas da tabela. O governo alega que não há caixa para compensar a perda de arrecadação gerada pela proposta do Congresso, estimada em 7 bilhões de reais.

Indonésia – A presidente falou rapidamente após a cerimônia em que entregou credenciais a cinco novos embaixadores estrangeiros em missão no Brasil. O embaixador da Indonésia Toto Riyanto foi excluído da lista em represália à execução do traficante brasileiro Marco Archer, no mês passado. Outro brasileiro, Rodrigo Gularte, segue no corredor da morte no país asiático. "Nós achamos importante que haja uma evolução na situação para que a gente tenha clareza das condições estão as relações da Indonésia com o Brasil. O que nós fizemos foi atrasar um pouco o recebimento de credenciais", afirmou Dilma Rousseff após a cerimônia.

Veja também: 







Gabriel Castro
Veja
Editado por Folha Política
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...