segunda-feira, 2 de fevereiro de 2015

Venezuela prende proprietários de rede de farmácias sob acusação de criarem longas filas


Imagem: Jorge Silva / Reuters
O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, que acusa empresários de conluio com a oposição para tentar derrubar seu governo, anunciou a detenção de um grupo de proprietários de lojas. O chefe de Estado alegou que os donos tinham reduzido o número de funcionários que trabalham nos caixas, com o objetivo de criar filas e “irritar o povo venezuelano”. Apesar de o presidente não informar os nomes dos estabelecimentos, os jornais venezuelanos informaram que os proprietários da Farmatodo, uma das redes mais famosas do país, haviam sido presos.


— Ontem, nós descobrimos que uma famosa cadeia de lojas estava conspirando, irritando as pessoas — disse Maduro. — Viemos, normalizamos as vendas, intimamos os proprietários e eles estão presos por ter provocado o povo.

Leia também: 
Ministro venezuelano que veio ao Brasil armado treina exército cubano de 20 mil homens
Venezuela autoriza Forças Armadas a atirar contra manifestações violentas
Ex-chefe de segurança de Hugo Chávez se refugia nos EUA e acusa governo do país e de Cuba de tráfico de drogas
Permissão de arma letal em protestos é 'belíssima', diz ministro venezuelano

Os empresários justificaram que os caixas vazios devem-se à falta dos funcionários ao trabalho, o que na Venezuela é particularmente frequente porque a lei permite, segundo a BBC.

Maduro acusou ainda quatro cadeias de supermercados de acumularem mercadorias e de contrabandearem produtos.

— Aqueles que usam suas lojas para prejudicar as pessoas vão pagar com tempo na prisão — disse Maduro a um grupo de partidários.

O líder opositor Henrique Capriles saiu em defesa da Farmatodo, um grupo com 167 lojas e que atua há 96 anos no país. Em sua conta no Twitter, ele questionou a ação dizendo que ela vai além do grupo: “Estamos falando de acabar com o pouco que resta.”

A oposição culpa as políticas socialistas dos últimos 16 anos pelo agravamento da crise econômica. Há uma semana, milhares de venezuelanos participaram de uma marcha em Caracas contra a escassez de alimentos básicos. O problema afetou até a hotelaria, com turistas tendo que levar papel higiênico e sabonete para se hospedarem. Os manifestantes também expressaram descontentamento com a inflação galopante, violência e longas filas nos mercados.

No mês passado, o presidente pediu à Assembleia Nacional para abrir um inquérito sobre o que ele descreveu como “uma guerra econômica” travada contra o seu governo.

A Venezuela — uma grande produtora de petróleo — tem sido fortemente afetada pela queda dos preços do petróleo nos mercados internacionais. A economia entrou em recessão oficialmente em dezembro.

Veja também: 

    
       


O Globo
Editado por Folha Política
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...