terça-feira, 3 de março de 2015

Empreiteiro diz ter 'contribuição relevante' e pede para ser interrogado


Imagem: Reprodução / Redes Sociais
O empreiteiro Gerson de Mello Almada, 64, vice-presidente da construtora Engevix, pediu nesta segunda-feira (02) ao juiz federal de Curitiba (PR) Sergio Moro, responsável pela condução dos processos da Operação Lava Jato, que seja interrogado porque teria "contribuição relevante para a cognição dos fatos".

Por meio de seus advogados, Almada pediu que o juiz marque um interrogatório, mencionando que está preso "faz mais de cem dias". O executivo está preso desde novembro passado na carceragem da Superintendência da Polícia Federal de Curitiba junto com outros empreiteiros presos na sétima fase da Lava Jato, denominada Juízo Final.

Leia também: 
Bolsonaro apresenta representação criminal contra Lula

Na petição, Almada não especificou que informações "relevantes" seriam as que estaria disposto a fornecer à Justiça Federal. O ofício também não trata de eventual delação premiada.

Em janeiro, na resposta à denúncia feita pelo Ministério Público, Almada fez, sem entrar em detalhes, um reconhecimento indireto de que realizou pagamentos para o esquema montado na Petrobras. Em petição assinada por seus advogados, ele afirmou que "compõe, tão só, o grupo de pessoas que pecaram por não resistirem à pressão realizada pelos porta-vozes de quem usou a Petrobras para obter vantagens indevidas para si e para outros bem mais importantes na República Federativa do Brasil".

Quando foi interrogado pela Polícia Federal após a sua prisão, no dia 15 de novembro, Almada permaneceu em silêncio.

Na petição, Almada afirmou que a acusação escondeu fatos que pudessem embaraçar o poder central de Brasília.

"Vale registrar alguns fatos notórios, outros emergentes dos próprios autos do inquérito policial, que desapareceram da acusação: faz mais de doze anos que um partido político passou a ocupar o poder no Brasil. No plano de manutenção desse partido [PT] no governo, tornou-se necessário compor com políticos de outros partidos, o que significou distribuir cargos na Administração Pública, em especial, em empresas públicas e em sociedades de economia mista."

Segundo o empreiteiro, o ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa exigia o pagamento dos recursos dos empresários em troca da manutenção dos contratos estatal do petróleo.

Leia também: 

"Sabidamente [Costa] passou a exigir percentuais de todos os empresários que atendiam a companhia. Leia-se, exigir. O que ele fazia era ameaçar, um a um, aos empresários, com o poder econômico da Petrobras. Prometia causar prejuízos no curso de contratos. Dizia que levaria à falência quem contrastasse seu poder, sinônimo da simbiose do poder econômico da mega empresa com o poder político do governo."

No último sábado, a Folha divulgou que executivos da empreiteira Camargo Corrêa fecharam um acordo de delação premiada com a força-tarefa do Ministério Público e da Polícia Federal que investiga o escândalo de desvios da Petrobras.

Dalton Avancini, diretor-presidente, e Eduardo Leite, vice-presidente, são os primeiros executivos de empreiteiras de grande porte a formalizarem um acordo de delação com a Lava Jato. A expectativa dos investigadores é que confirmem a denúncia protocolada pelo Ministério Público Federal e também forneçam informações sobre irregularidades em outros empreendimentos, como a usina hidrelétrica Belo Monte.

Veja também: 






Gabriel Mascarenhas e Rubens Valente
Folha de S. Paulo
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...