sábado, 28 de março de 2015

Fora da Petrobrás, Renato Duque fechou R$ 13,2 milhões em contratos


Imagem: Fábio Motta / Estadão
O ex-diretor de Serviços da Petrobrás Renato Duque fechou R$ 13,2 milhões em contratos com empresas investigadas pela Operação Lava Jato, entre 2013 e 2012, depois dele sair da estatal. Os contratos foram fechados via sua empresa, a D3TM Consultoria e Participação.

Investigadores da Lava Jato investigam se essas consultorias foram prestadas efetivamente ou se serviram para “esquentar” dinheiro da propina, como era feito por operadores do esquema bilionário de corrupção desbaratado na Petrobrás.

Leia também: 

No dia 16, quando foi preso pela segunda vez em sua residência no Rio, na Operação Que País é Esse – décima etapa da Lava Jato -, a Polícia Federal encontrou contratos no valor total de R$ 13,2 milhões com quatro empresas do cartel e uma que pertencia a um dos operadores de propina da Diretoria de Serviços, a Jamp Engenheiros Associados, de Milton Pascowitch.

Ao ser questionado por delegados da Lava Jato, em seu interrogatório no dia 18, sobre os R$ 13,2 milhões, Duque se calou – usando o direito constitucional de não produzir provas contra si mesmo. Ele também nada falou sobre a possibilidade de fazer delação premiada, nos “mesmos moldes” do ex-diretor de Abastecimento Paulo Roberto Costa – peça central das investigações.

Os contratos assinados são com as empresas OAS, UTC, Engevix (e Ecovix), Iesa e Jamp.

A PF também encontrou notas fiscais que indicam a entrada de R$ 9 milhões referentes a esses contratos de consultoria, parte deles vagos quanto ao objeto dos serviços, que previam pagamentos mensais.

O que mais chamou a atenção dos investigadores foi o contrato de 2013 entra a D3TM e a Jamp, no valor de R$ 1,2 milhão. Pascowitch atuava em nome da Engevix Engenharia no esquema de cartel e corrupção na estatal.

Tanto Engevix como Jamp pagaram – R$ 2,6 milhões ao todo – por serviços de consultoria ao ex-ministro José Dirceu, entre 2008 e 2012. O ex-ministro era o padrinho político de Duque na Petrobrás, segundo contaram os delatores. Ele nega.

Veja também:











Fausto Macedo, Julia Affonso e Ricardo Brandt
O Estado de S. Paulo
Editado por Folha Política
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...