terça-feira, 3 de março de 2015

Ministro de Dilma diz que investigação da Lava Jato trará 'turbulência'


Imagem: Dida Sampaio / Estadão
Um dos ministros mais próximos da presidente Dilma Rousseff, o petista Jaques Wagner, da Defesa, afirmou nesta segunda-feira, 2, que o pedido de investigação de políticos envolvidos no esquema de corrupção da Petrobrás causará "turbulência" no momento em que o País precisa de "calma e tranquilidade". 


Nesta semana, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, que comanda a equipe de investigadores do Ministério Público Federal, apresentará os inquéritos ao Supremo Tribunal Federal (STF). "Qualquer fato novo com esse tipo de característica de denúncia, de inquérito, tira a tranquilidade momentaneamente de qualquer instituição. Não sei qual é a dimensão, nem a quem atinge. É bom no sentido de que as coisas estão funcionando e é ruim no sentido de que tem turbulência e o País precisa de calma e tranquilidade para tocar. Não a calma da omissão, mas de separar inquérito do funcionamento normal do País", afirmou o ministro, depois proferir aula magna no Curso Superior de Defesa da Escola de Guerra Naval, no Rio. 

Leia também: 

"A melhor forma para que as investigações continuem é elas estarem ladeadas pelo funcionamento normal do País. Porque, se começarem a perturbar tudo, daqui a pouco muita gente vai dizer 'acaba logo essa investigação porque o País precisa voltar à normalidade'. É óbvio que tem turbulência", disse Jaques Wagner em entrevista. Para o ministro, a nova CPI da Petrobrás, que começa a analisar requerimentos esta semana, não chegará a fatos novos. "A CPI terá dificuldade de chegar além do Ministério Público Federal e do Judiciário (...) A CPI em si vira palco, mas dificilmente irá além do que a Polícia Federal já investigou", declarou. 

Jaques Wagner também comentou a resistência do PT e outros partidos da base da presidente Dilma Rousseff às medidas de ajuste fiscal do governo que serão submetidas ao Congresso. "É preciso esclarecer bem e espero que isso comece a ser feito agora com as comissões (na Câmara). O PT e todos os partidos da base têm que ser esclarecidos e, mesmo achando que não é o mais simpático, (compreender que) é necessário para recuperar a capacidade de a economia crescer. Depois do debate feito, a posição tomada será acompanhada pelo PT e pela base", afirmou.

O ministro citou as mudanças nas regras do seguro-desemprego. "Não se quer tirar direitos, mas consolidar direitos. A pergunta que cabe é: 'o seguro desemprego é causa ou efeito da rotatividade de mão de obra? (O trabalhador) recebe seguro desemprego porque sai do emprego ou sai do emprego para receber seguro-desemprego?'. Sempre que se fala de ser humano, todo mundo quer operar em zona de mais conforto", afirmou o ministro da Defesa. 

Veja também: 





Luciana Nunes Leal 
O Estado de S. Paulo
Editado por Folha Política
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...