quarta-feira, 25 de março de 2015

Ministro que admitiu o uso de 'robôs' na campanha de Dilma pede demissão


Imagem: Alan Marques / Folhapress
Pouco mais de uma semana após um documento interno produzido pela Secom (Secretaria de Comunicação Social) com críticas à comunicação do governo e admitindo o uso de "robôs" para disseminar conteúdo favorável ao Planalto nas redes sociais, o ministro Thomas Traumann deixou a pasta.

O governo, em nota nesta quarta (24), confirmou a sua saída. Questionado, ainda não especificou quem comanda a pasta até que um novo nome seja escolhido. O secretário-executivo da secretaria é Roberto Messias.

Segundo a nota, Dilma "aceitou" a demissão de Traumann. "A presidente agradece a competência, dedicação e lealdade de Traumann no período como ministro e porta-voz", diz o texto.

Leia também: 
Partidos gastam R$30 milhões para formar milícia de pelo menos 90 mil militantes nas redes sociais
Criminosos virtuais realizam ataques de milhares de robôs contra páginas de ativistas no Facebook
Especialista explica legislação contra perfis falsos, os 'fakes', na internet; assista
Sabotagens e trapaças tomam internet
Criminosos virtuais realizam ataques de milhares de robôs contra páginas de ativistas no Facebook
62% dos seguidores de Dilma no Twitter são falsos, afirma blog

A saída dele já era esperada. O documento, de responsabilidade de Traumann, critica o modo como o governo Dilma Roussef tem gerido sua crise, citando a existência de um "caos político".

A descoberta do documento, divulgado no dia 17 pelo jornal "O Estado de S. Paulo", gerou críticas da oposição e um convite para que ele explicasse à Comissão de Ciência e Tecnologia do Senado detalhes do material. Traumann estava de férias desde quando o material veio à tona.

ANÁLISE

A análise da Secom aborda estratégias da campanha à reeleição da presidente Dilma Rousseff e admite o uso de "robôs" para disseminar conteúdo favorável ao governo nas redes sociais.

O documento diz que os "eleitores de Dilma e Lula estão acomodados brigando com o celular na mão, enquanto a oposição bate panela, distribui mensagens pelo Whatsapp e veste camisa verde-amarela". Em seguida, afirma que "dá para recuperar as redes, mas é preciso, antes, recuperar as ruas".

Parte do trabalho de análise de conjuntura feito semanalmente pela Secom para a presidente da República, o documento é dividido em três tópicos: onde estamos, como chegamos até aqui e como virar o jogo?

Depois das críticas à comunicação do governo e à atuação do PT em defesa do governo, o documento anota em seu terceiro capítulo que "não será fácil virar o jogo", mas aponta que "a entrevista presidencial deste dia 16 foi um excelente início", avaliando que Dilma Rousseff falou "com firmeza sobre sue compromisso com a democracia", explicou de "forma fácil a necessidade do ajuste fiscal" e assumiu "falhas como a da condução do Fies".

Segundo o texto, a "presidente deu um rumo novo na comunicação do governo", mas "não pode parar".

Veja também: 




Folha de S. Paulo
Editado por Folha Política
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...