sábado, 21 de março de 2015

Relatório interno do governo admite: campanha de Dilma usou robôs nas redes


Imagem: Ichiro Guerra/Divulgação
Um relatório reservado do governo federal divulgado nesta terça-feira pelo site do jornal O Estado de S. Paulo admite que a campanha da presidente Dilma Rousseff usou robôs para disseminar mensagens durante a disputa pela reeleição, no ano passado. "A partir de novembro, as redes sociais pró-Dilma foram murchando até serem extintas. Principal vetor de propagação do projeto dilmista nas redes, o site Muda Mais acabou. Os robôs que atuaram na campanha foram desligados e a movimentação dos candidatos do PT foi encerrada", diz trecho do documento. O texto foi produzido pela Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República.

Os chamados "robôs" são na verdade programas que realizam tarefas específicas nos ambientes virtuais, como a internet e redes sociais. Nas redes, em geral, utilizam perfis falsos para interagir com mensagens previamente determinadas. O objetivo é inflar os números que indicam a popularidade de um conteúdo ou conta. Dessa forma, portanto, um conteúdo artificialmente alimentado pelos robôs pode chegar à lista de trending topics (assuntos mais discutidos) do Twitter ou ainda ser exibido a mais usuários do Facebook.

Leia também: 
Partidos gastam R$30 milhões para formar milícia de pelo menos 90 mil militantes nas redes sociais
Criminosos virtuais realizam ataques de milhares de robôs contra páginas de ativistas no Facebook
Especialista explica legislação contra perfis falsos, os 'fakes', na internet; assista
Sabotagens e trapaças tomam internet
Criminosos virtuais realizam ataques de milhares de robôs contra páginas de ativistas no Facebook
62% dos seguidores de Dilma no Twitter são falsos, afirma blog

O documento afirma ainda que o governo também tem sido alvo de robôs. "A tática do PSDB foi exatamente oposta. Cerca de 50 robôs usados na campanha de Aécio continuam a operar mesmo depois da derrota em outubro. Isso significou um fluxo contínuo de material anti-Dilma."

O texto diz que as ações para criticar Dilma nas redes vêm alimentando, por exemplo, os protestos como o de domingo e a defesa do impeachment da presidente. A operação, afirma o documento, teria custo estimado de 10 milhões de reais. "A partir do final de janeiro, as páginas mais radicais contra o governo passaram a trabalhar com invejável profissionalismo, com uso de robôs e WhatsApp". "Deu resultado", diz o texto.

Para os governistas, as mensagens contra o governo teriam atingido 80 milhões de pessoas em fevereiro, enquanto as páginas do PT e do Planalto chegaram a 22 milhões. "Se fosse uma partida de futebol estamos (sic) entrando em campo perdendo de 8 a 2."

Veja também: 







Veja
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...