sábado, 11 de abril de 2015

Governo espera protestos com adesão menor no domingo


Imagem: Reprodução / UOL
O governo avalia que as manifestações marcadas para o próximo domingo (12) contra a presidente Dilma Rousseff não terão o mesmo tamanho e impacto dos protestos de 15 de março, quando milhares de pessoas saíram às ruas para pedir, entre outras coisas, o fim da corrupção e o impeachment da petista.


A expectativa da equipe presidencial é baseada no monitoramento das redes sociais nos últimos dias.

Leia também: 


Um dos temores era que o depoimento do tesoureiro do PT, João Vaccari Neto, na CPI da Petrobras na quinta (9), pudesse levantar o ânimo dos que são contrários à presidente. Mas a participação do petista não não teve grande repercussão, segundo avaliação do governo.

Apenas os ministros Aloizio Mercadante (Casa Civil) e José Eduardo Cardozo (Justiça) devem ficar em Brasília para acompanhar a repercussão das manifestações. Cardozo será o responsável por monitorar e informar a presidente sobre o clima dos protestos ao longo do dia.

Também não há previsão de que um ministro se pronuncie ao final do dia. Em 15 de março, Miguel Rossetto (Secretaria Geral) e Cardozo deram uma entrevista coletiva para avaliar as manifestações. Durante a fala dos ministros, transmitida na televisão, houve registro de panelaços em várias capitais.

A Polícia Militar calculou em 1 milhão o número de participantes em São Paulo até o momento em que o helicóptero teve que se afastar e interrompeu a contagem, e 1,7 milhão nas capitais nos protestos de 15 de março.

CLASSE MÉDIA

Em discurso no encerramento do do Fórum de CEOs da Cúpula das Américas, no Panamá, nesta sexta-feira (10), Dilma afirmou que o Brasil precisa fazer reformas para melhorar a oferta de serviços públicos para as milhões de pessoas que entraram na classe média e passaram a ter reivindicações.

"A grande mudança que o Brasil deseja e vem encaminhando é se transformar em um país de classe média", disse Dilma, falando ao lado dos presidentes Barack Obama, dos EUA, Enrique Peña Nieto, do México, e Juan Carlos Varela, do Panamá.

"Se você eleva 44 milhões de pessoas à classe media, essas pessoas passam a ter reivindicações, passam a querer mais e melhor", afirmou a presidente.

O argumento é semelhante ao do ministro da Educação, Renato Janine Ribeiro, em artigo publicado em 25 de março, abordando os protestos do dia 15 de março.

Veja também: 







Valdo Cruz, Mariana Haubert e Patrícia Campos Mello 
Folha de S. Paulo
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...