quinta-feira, 9 de abril de 2015

Investigada em fraude do Carf recebeu dinheiro de HSBC e Opportunity


Imagem: Reprodução / Redes Sociais
A Polícia Federal identificou depósitos do banco HSBC e de uma empresa do Grupo Opportunity à SGR Consultoria, investigada por suspeita de intermediar o pagamento de propina a conselheiros do Carf (Conselho Administrativo de Recursos Fiscais).

Os dados dessas transações financeiras constam numa representação enviada pela PF à Justiça Federal.


O HSBC não quis comentar. O Grupo Opportunity nega que tenha cometido qualquer ilegalidade.

Leia também: 

O documento detalha etapas da Operação Zelotes, que revelou um suposto esquema de sonegação fiscal com participação de integrantes do Carf. O colegiado, vinculado ao Ministério da Fazenda, julga recursos a autuações aplicadas pela Receita Federal.

O HSBC transferiu R$ 1,5 milhão à SGR em 29 de julho de 2005, segundo o relatório da PF, que encontrou dois processos do banco julgados no Carf "em período aproximado da transferência".

Ambos eram relacionados à aquisição de ativos do Banco Bamerindus e receberam decisões favoráveis ao HSBC, de acordo com a PF.

Já a Opportunity Gestora de Recursos, ligada ao banqueiro Daniel Dantas, pagou R$ 177,7 mil à SGR. Foram quatro depósitos de R$ 44,4 mil, entre abril e julho de 2009, segundo o documento.

Os policiais localizaram 18 processos do Opportunity no Carf. "Somente um deles chamou a atenção", de acordo com o documento.

Tanto a transferência do HSBC como as do Opportunity foram declaradas no imposto de renda da SGR Consultoria, conforme a representação da Polícia.

A SGR é apontada pela PF como uma das principais peças do esquema. A empresa pertence a três ex-conselheiros do Carf: Edison Pereira Rodrigues, José Ricardo da Silva e João Batista Gruginski. Os dois primeiros são investigados na Zelotes.

As investigações revelaram que conselheiros e ex-conselheiros recebiam propina de credores da União. Em troca, eles atuavam junto ao colegiado para reduzir e até zerar as dívidas de quem desembolsava o suborno.

Como a Folha revelou, a PF mapeou 74 processos do Carf em que há indícios mais fortes de manipulação. Os casos do Opportunity e do HSBC, relatados na representação enviada à Justiça, não estão entre eles. Apesar disso, investigadores ouvidos pela Folha classificaram as transações como "suspeitas".

A PF disse que não comenta investigações em curso.

Leia também: 

OUTRO LADO

O Grupo Opportunity negou irregularidades nos depósitos à SGR. Diz ter contratado a empresa para prestar serviços de "assessoria sobre normas contábeis e societárias".

O Opportunity afirma que o processo que chamou a atenção da PF foi julgado em 2011 e não teve participação de consultoria. Diz que recorreu ao Carf para reconhecimento de crédito fiscal de R$ 208 mil e que o conselho acolheu o pleito parcialmente.

O Opportunity classifica como "inconcebível" a suspeita de que contratou, em 2009, a assessoria por R$ 177 mil para obter, em 2011, o reconhecimento parcial de um crédito de R$ 46 mil.

O HSBC informou que não comentaria o caso.

Veja também:









Gabriel Mascarenhas, Natuza Nery e Severino Motta
Folha de S. Paulo
Editado por Folha Política
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...