domingo, 24 de maio de 2015

Dilma diz que não tem medo de impeachment


Imagem: Reprodução
A presidente Dilma Rousseff afirmou não temer um eventual processo de impeachment e disse que essa discussão tem atualmente um viés de "arma política" contra sua gestão.

"Eu acho que tem um caráter muito mais de luta política, entende? Ou seja, é muito mais esgrimido como uma arma política. Agora, a mim não atemorizam com isso. Eu não tenho temor disso, eu respondo pelos meus atos. E eu tenho clareza dos meus atos", afirmou em entrevista ao jornal mexicano "La Jornada", na última sexta-feira e publicada neste domingo (24).


A presidente comentou temas da política brasileira, como o escândalo de corrupção na Petrobras, e assuntos internacionais, como o relacionamento entre Brasil e México, onde Dilma cumpre agenda na próxima semana.

Leia também: 

Ao destacar a relevância da Petrobras –"tão importante para o Brasil como a seleção"– Dilma citou a Operação Lava Jato e reconheceu envolvimento de funcionários da empresa no esquema de corrupção".

"A Petrobras tem 90 mil funcionários, quatro funcionários foram e estão sendo acusados de corrupção. Muito provavelmente...Ninguém pode falar antes de serem condenados, mas todos os indícios são no sentido de que são responsáveis pelo processo de corrupção", disse a presidente sem citar nomes.

Dilma fazia referência aos ex-diretores da Petrobras Paulo Roberto Costa, Nestor Cerveró e Renato Duque, além do ex-gerente Pedro Barusco.

ESPIONAGEM

Dilma foi questionada ainda sobre a política na América Latina, a recente aproximação entre Estados Unidos e Cuba e as denúncias de espionagem da NSA (Agência de Segurança Nacional dos EUA) contra o governo brasileiro. Para a presidente, esse tema "está concluído".

"O presidente Obama (...) abriu um processo de discussão em que eles tiraram várias resoluções. Entre essas resoluções, eles tiraram uma resolução de que não tem cabimento espionar países amigos, não é? (...) No marco do que eles fizeram, eles nos responderam", afirmou.

A presidente defendeu ainda o financiamento do BNDES na construção do Porto de Mariel, em Cuba, e ponderou haver certo "exagero" na análise de que há um quadro de instabilidade em governos da América do Sul –o jornalista mexicano apontou como exemplo Venezuela, Equador e Bolívia.

Leia também: 

"Eu não acredito que a democracia engendre situações de paz dos cemitérios. A democracia engendra manifestações de rua, reivindicações, expressão de descontentamento. E nós, na América Latina, temos de cuidar muito, porque a raiz golpista sempre perpassa a cultura política dos países. Não dominantemente mais. Não, eu não acredito nisso", afirmou.

DESISTÊNCIA DA OPOSIÇÃO

Sem respaldo legal e apoio político para um pedido de impeachment, os partidos de oposição seguiram o PSDB e anunciaram na quinta-feira (21) a decisão de pedir a abertura de uma ação penal contra a presidente.

Os tucanos desistiram de bancar pedido de impeachment ao receber parecer sobre sua viabilidade jurídica, encomendado pelo partido ao jurista Miguel Reale Júnior.

Reunidos no gabinete do presidente do PSDB, o senador Aécio Neves (MG), os líderes oposicionistas decidiram levar, na terça-feira (26), o pedido de abertura de investigação à Procuradoria-Geral da República.

O argumento é que Dilma cometeu, em seu primeiro mandato, crime comum com a prática das chamadas "pedaladas": manobras fiscais com o uso dos bancos oficiais.

Para não reconhecer o recuo, os oposicionistas alegam que, se aprovada, a investigação poderá levar ao impeachment. Mas admitem que o processo é bem mais longo. O pedido tem que ser aceito pela PGR –o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, porém, já se manifestou sobre a impossibilidade da petista ser processada por crime cometido antes do atual mandato– e submetido ao Supremo Tribunal Federal.

Veja também:






Flávia Foreque
Folha de S. Paulo
Editado por Folha Política
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...