sexta-feira, 29 de maio de 2015

Lula comanda a sabotagem contra Dilma, volta a dizer Reinaldo Azevedo


Imagem: Reprodução / Redes Sociais
O colunista Reinaldo Azevedo, da revista Veja, volta a dizer que o ex-presidente Lula é o comandante de uma operação de sabotagem contra a presidente Dilma. Para Azevedo, Lula vem colaborando para a resistência dos petistas ao ajuste fiscal proposto pela presidente. 

Leia abaixo o texto de Reinaldo Azevedo: 



Vejam título e texto de um post publicado aqui no dia 4 de março. Volto em seguida.



“O presidente me disse o seguinte: ‘Onde está no estatuto do PT que tem que votar contra o trabalhador e o aposentado? Não está, vote de acordo com sua consciência’”
De quem é essa fala? Segundo o senador Paulo Paim (PT-RS), foi a recomendação que recebeu de Lula no caso da votação do pacote fiscal. Ao menos foi o que disse o senador a Leonardo Souza, segundo se lê na coluna do jornalista, na Folha.
Não cabe, portanto, dúvidas sobre a atuação de Lula na resistência dos petistas ao pacote fiscal. Convenham: ao ex-presidente, apenas dois papéis seriam dignos: ou a ausência ao debate ou a colaboração com a linha escolhida por sua sucessora. Em vez disso, como fica claro, ele optou pela sabotagem.
Paim disse mais à coluna: “O Lula é totalmente favorável a acabar com o fator [previdenciário]. Ele chegou a falar que, se tem uma coisa da qual ele se arrependeu, foi não ter derrubado o fator no governo dele”.
É mesmo? Por que será que o Babalorixá de Banânia não deu fim ao dito-cujo? Distração? Preguiça? Esquecimento? Vai ver o caixa da Previdência não permitia, certo? É muito fácil, então, transferir a responsabilidade para a sucessora.
E Paim não economiza, não. Resolveu abrir guerra contra Dilma mesmo — Lindbergh Farias, outro interlocutor do lulismo, está com ele:
“Se ela vetar [o fim do fator previdenciário], nós vamos derrubar o veto. Toda a bancada do PT vota pela derrubada do veto, assim como a do PMDB. O fato novo que ela não entendeu, a presidenta, é que o voto não é mais secreto, é aberto. E há unanimidade no país, que o povo todo é contra esse fator.”
Eis aí. Com a devida vênia, queridos leitores, eu estava certo, né? Alguns acharam que eu delirava quando apontava a mão de Lula na desestabilização do governo Dilma. Já não há mais dúvida.
Imaginem os perrengues pelos quais não tem de passar Michel Temer, obrigado a fazer a coordenação política do governo. Mesmo sendo presidente do PMDB — e isso, hoje em dia, já traz dificuldade o que chega —, vê-se ainda na contingência de ter de enfrentar a sabotagem de Lula em território petista.
É no que dá Dilma pedir a bênção ao criador, que, tudo indica, quer agora destruir a criatura, de olho não exatamente em seu futuro político, mas em seu passado.
De resto, chega a ser comovente de tão escandalosamente sincera a fala de Paim. Ele acha que votar contra o fim do fator previdenciário é trair os trabalhadores. Mas deixa claro: se o voto fosse secreto, ele até trairia, entendem? Assim, não é que ele se negue a trair; ele só não quer é que os outros descubram.
Que gente!

Veja também:






Luciana Camargo
Folha Política
Leia mais notícias do poder e da sociedade em Folha Política 
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...