segunda-feira, 29 de junho de 2015

'Não respeito delator', diz Dilma sobre acusação de empreiteiro na Lava Jato


Imagem: Lucas Jackson / Reuters
A presidente Dilma Rousseff afirmou nesta segunda-feira (29), referindo-se ao depoimento do dono da empreiteira UTC, Ricardo Pessoa, que "não respeita delator".


Durante entrevista à imprensa em Nova York, onde começou sua visita pelos Estados Unidos no final de semana, Dilma negou que tenha recebido dinheiro ilícito em sua campanha à reeleição, no ano passado.

Em delação premiada, Pessoa disse que doou R$ 7,5 milhões à campanha de Dilma por temer prejuízos em seus negócios com a Petrobras. O montante foi doado legalmente. Em seus depoimentos, ele teria mencionado ainda doações ilegais R$ 15,7 milhões a ex-tesoureiros do PT e da campanha de Dilma.


Um dos empreiteiros investigados pela Operação Lava Jato por causa de seu envolvimento com o esquema de corrupção descoberto na Petrobras, Pessoa fez acordo com a Procuradoria-Geral da República para colaborar com as investigações em troca de uma pena reduzida. O acordo foi homologado pelo STF (Supremo Tribunal Federal) nesta quinta (25).

"Não tenho esse tipo de prática [receber doações ilegais]. Não aceito e jamais aceitarei que insinuem sobre mim ou sobre minha campanha qualquer irregularidade. Primeiro, porque não houve. Segundo, porque, se insinuam, alguns têm interesses políticos", disse Dilma.

Neste sábado (27), em reunião com ministros após antes de embarcar para os EUA, Dilma já havia classificado como "seletiva" a divulgação da delação de Pessoa.

"Na mesma época em que recebi os recursos, no segundo turno, o candidato que concorreu comigo recebeu também, com uma diferença muito pequena de valores, o Aécio Neves [PSDB]", afirmou a presidente em Nova York.

Dilma disse que aprendeu na escola a não gostar de Joaquim Silvério dos Reis, o delator da Inconfidência Mineira (primeira tentativa de emancipação do Brasil de Portugal).

"Eu não respeito delator, até porque estive presa na ditadura militar e sei o que é. Tentaram me transformar numa delatora. A ditadura fazia isso com as pessoas presas, e garanto para vocês que resisti bravamente. Até, em alguns momentos, fui mal interpretada quando disse que, em tortura, a gente tem que resistir, porque se não você entrega seus presos."

Em 2008, quando ainda era ministra da Casa Civil no segundo governo Lula, Dilma afirmou, em depoimento no Senado, sentir orgulho de ter mentido sob tortura no período em que ficou presa pela ditadura porque "qualquer pessoa que ousar dizer a verdade para interrogador compromete a vida dos seus iguais".

Nesta segunda, a presidente defendeu que a Justiça, o Ministério Público e a Polícia Federal investiguem a delação de Pessoa. E afirmou que tomará providências se o empresário a citar nos depoimentos.

Dilma afirmou que não recebeu o executivo em todo o seu primeiro mandato e disse que "não respeita nenhuma fala" dele.

FECHADA

As notícias sobre a delação de Pessoa, divulgadas na sexta-feira (26), mudaram o clima da visita de Dilma aos Estados Unidos. Ela marcou duas reuniões antes de viajar e acabou atrasando seu embarque, no sábado.

Envolvido por Pessoa no depoimento, o ministro da Casa Civil, Aloizio Mercadante, que acompanharia a comitiva presidencial no país, desistiu de viajar e ficou no Brasil para esclarecer o assunto.


A presidente chegou a Nova York no início da noite de sábado e, ao longo de todo o fim de semana, evitou a imprensa. No domingo, os jornalistas foram avisados de que a presidente se pronunciaria no fim da tarde, ao voltar de um passeio pela cidade –para o qual saiu escondida.

Concentrados na frente do hotel aguardando sua chegada, foram comunicados pelos assessores de Dilma de que ela havia entrado por outra porta e não se pronunciaria.

A presidente deixou para falar após seu último evento na cidade, um seminário para apresentar o pacote de concessões em infraestrutura do governo para investidores estrangeiros.

Primeiro, falou sobre as reuniões que tivera durante a manhã, com empresários norte-americanos e o ex-secretário de Estado dos EUA Henry Kissinger. Depois permitiu aos jornalistas apenas três perguntas.

SEMINÁRIO

Minutos antes, em palestra a empresários americanos e brasileiros em um seminário, Dilma falou que os Estados Unidos "eram parceiros fundamentais" do Brasil e que ambos os países tinham muitas semelhanças. "Somos uma economia de mercado, respeitamos contratos, temos tradição de transparência e segurança jurídica".

"[Brasil e EUA] são sociedades democráticas com instituições sólida e valores civilizatórias", discursou.

Acrescentou que 3.000 empresas americanas atuam no Brasil e que, durante a visita que fará à Califórnia na quarta (1º), priorizará três áreas: tecnologia de informação, biotecnologia e defesa, sobretudo aeroespacial.

A viagem da presidente aos EUA começa oficialmente neste domingo (28), com uma reunião com empresários que integram a comitiva brasileira no país. O objetivo do encontro foi discutir formas de ampliar o investimento das companhias, entre elas as principais multinacionais do país, no mercado norte-americano. Desde o ano passado, os Estados Unidos são o principal destino das exportações brasileiras de manufaturados.

O aumento do comércio exterior se apresenta como "prioridade irrecusável" para estimular o crescimento econômico no Brasil, afirmou o ministro do Desenvolvimento, Armando Monteiro.

Veja também:






Thais Bilenky, Giuliana Vallone, Raul Juste Lores e Renata Agostini
Folha de S. Paulo
Editado por Folha Política
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...