quinta-feira, 24 de setembro de 2015

Com impasse no PMDB, Dilma adia anúncio da reforma ministerial


Imagem: Reprodução / Redes Sociais
Sem conseguir resolver um impasse interno no PMDB pela indicação de ministérios, a presidente Dilma Rousseff adiou para a semana que vem o anúncio da nova configuração da Esplanada dos Ministérios.

Mais cedo, a petista já havia informado ao vice-presidente Michel Temer que não divulgaria nesta quinta-feira (24) as mudanças programadas na reforma administrativa.

Em nota, a Secretaria da Comunicação Social ressaltou que a presidente tem tido "proveitoso diálogo com os partidos políticos" e que o objetivo é realizar uma reforma política "que a amplie a eficiência e a boa gestão dos recursos públicos".

Leia também: 
Cunha divulga rito de impeachment e diz que decisão está com o plenário

"Alguns dos partidos que integram a base aliada solicitaram o adiamento do anúncio para que mais consultas possam ser realizadas", disse.

O Palácio do Planalto tem encontrado dificuldades para acomodar os ministros aliados do vice-presidente. Para solucionar o impasse, a presidente considera abandonar a fusão entre Aviação Civil e Portos.

A ideia é manter Eliseu Padilha no primeiro ministérios e transferir para o segundo o ministro Helder Barbalho (Pesca), cuja pasta deve ser extinta na nova configuração ministerial.

No início da semana, no entanto, a presidente havia oferecido o novo Ministério da Infraestrutura para a bancada do partido na Câmara dos Deputados.

A possibilidade da petista não fundir as pastas e entregar Aviação Civil e Portos para aliados do vice-presidente irritaram o líder do PMDB na Câmara dos Deputados, Leonardo Picciani (RJ).

Ele ameaçou, inclusive, retirar as indicações da bancada peemedebista para o Ministério da Saúde caso a presidente não volte atrás na decisão.

Em um aceno ao mercado, a petista também deve ministro Armando Monteiro (Desenvolvimento), indicado pelo PTB e que criticou recentemente as medidas dopacote fiscal que diminuem os repasses ao Sistema S e reduzem a alíquota de abatimento do Reintegra.

O ministro Ricardo Berzoini (Comunicações) garantiu nesta quinta-feira (24) a permanência de Monteiro no posto em encontro com a bancada do PTB na Câmara dos Deputados.

"Tivemos com o Berzoini e principal ponto da conversa foi dizer que apoiamos a manutenção do Armando Monteiro", disse o líder da bancada federal, Jovair Arantes (GO).

A pasta chegou a ser oferecida ao PMDB do Senado Federal, que a recusou e passou a reivindicar a Integração Nacional.

Ela estuda também fundir as pastas do Trabalho, Previdência Social e Desenvolvimento Social e extinguir Micro e Pequenas Empresas.

Em uma tentativa de estancar a crise política, a presidente prometeu entregar cinco ministérios ao PMDB, entre eles o da Saúde para garantir o apoio da sigla a seu governo e evitar que dissidentes apoiem o impeachment de Dilma na Câmara dos Deputados.

A avaliação do Palácio do Planalto, no entanto, é de que o aceno ao PMDB dá fôlego momentâneo ao governo federal, mas não afasta a possibilidade de ser aberto um processo de afastamento da petista.

Veja também: 

 

 





 

Gustavo Uribe, Valdo Cruz e Natuza Nery
Folha de S. Paulo
Editado por Folha Política
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...