sábado, 24 de outubro de 2015

Brasil triplicou pagamentos ao Paraguai para ajudar Venezuela a entrar no Mercosul


Imagem: Sérgio Lima / Folhapress
Em reunião privada em junho de 2011, a presidente Dilma Rousseff disse ao então presidente da Venezuela, Hugo Chávez (1954-2013), que a renegociação do Tratado de Itaipu com o Paraguai seria usada como argumento para persuadir Assunção a aceitar a Venezuela no Mercosul.

A reunião foi registrada em telegrama secreto redigido por um funcionário do Itamaraty. O documento indica que a renegociação serviu de moeda de troca pelo Brasil para favorecer o governo Chávez.

No mês anterior ao encontro, o Senado brasileiro aprovara um acordo entre Brasil e Paraguai que triplicou o valor pago pelo governo ao país vizinho pelo excedente de energia da hidrelétrica.

Leia também: 

Na época, a oposição no Senado disse que passaria o valor pago de US$ 120 milhões para US$ 360 milhões anuais.

Imagem: Reprodução

O documento diplomático foi entregue pelo Itamaraty ao Ministério Público Federal do Distrito Federal no inquérito civil que apura suposto tráfico de influência do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva na relação entre governos estrangeiros e empreiteiras brasileiras.

No encontro com Chávez, Dilma disse, segundo o telegrama, que a adesão da Venezuela ao Mercosul "fortalecerá o bloco". Naquele momento, o Paraguai se opunha à ideia.

Dilma, porém, procurou acalmar Chávez: "Lula está empenhado, junto a interlocutores no Paraguai, na aprovação da adesão da Venezuela pelo Congresso paraguaio. Nós aqui também estamos ajudando. A aprovação do acordo por troca de notas sobre Itaipu, pelo Congresso brasileiro, deverá contribuir para que o Congresso paraguaio se torne mais propenso a examinar favoravelmente a questão da adesão da Venezuela", disse.

'NAVE SERENA'

Em resposta, Chávez disse que "ama" o Brasil. Alegou que não conseguiu adquirir aviões militares fabricados no Brasil por pressão dos EUA, mas com aviões de uso civil "não há dificuldades".

Leia também: 

"Quero reiterar a importância da integração regional", disse Chávez. "Lula foi uma tábua de salvação para mim quando fui eleito em 2002. O golpe de abril de 2002 foi um baque grande para meu governo. O apoio regional nos momentos subsequentes foi valioso. O Brasil é uma nave grande e serena; a Venezuela, uma lancha de ataque."

O uso de Itaipu já havia sido levantado pelo Brasil quatro meses antes em um encontro entre Chávez, o chanceler brasileiro, Antonio Patriota, o assessor especial da Presidência, Marco Aurélio Garcia, e outros membros do governo venezuelano, inclusive o então chanceler Nicolás Maduro, hoje presidente.

O Itamaraty considerou o evento "encontro privado" e o registrou em telegrama secreto. Na reunião, Chávez disse que vinha "trabalhando para acelerar a adesão" do seu país ao Mercosul, mas que não estava "disposto a sofrer pressões indevidas por parte do governo paraguaio".

"Confidenciou" ter indicado a Maduro que, se os entraves do Parlamento paraguaio continuassem, "seria melhor deixar o Mercosul e passar a se concentrar mais em fortalecer as relações bilaterais".

Marco Aurélio Garcia, então, procurou acalmá-lo.

"Com vistas a alcançar clima político mais propício ao Paraguai, o professor Garcia relatou os esforços brasileiros para atender demandas paraguaias relativas a Itaipu", diz o telegrama, assinado pelo embaixador José Antônio Marcondes de Carvalho.

"O assessor especial da PR [presidente] Rousseff sugeriu que a Venezuela convidasse [o general paraguaio que viveu no Brasil] Lino Oviedo [1943-2013] para visita a Caracas com o propósito de alargar sua base de apoio no Congresso paraguaio."

A Venezuela aderiu ao Mercosul no ano seguinte a essas conversas, em agosto de 2012.

ODEBRECHT

Na reunião, Chávez ainda propôs criar um fundo de financiamento para projetos bilaterais, citando que a Construtora Odebrecht "já aceitou mecanismo de remuneração parcial em petróleo".

Dilma respondeu que a empreiteira poderia ajudar.

"Será importante envolver nesse processo o presidente da Associação Brasileira de Construção Civil. A Odebrecht pode ajudar muito com habitação", afirmou.

O Palácio do Planalto não comentou o telegrama.

Veja também:








  

Rubens Valente
Folha de S. Paulo
Editado por Folha Política
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...