sexta-feira, 16 de outubro de 2015

Com possibilidade de impeachment aumentando, Lula passa a defender Cunha


Imagem: Alice Vergueiro/Folhapress
Decidido a articular a bancada do PT na Câmara para barrar a abertura de um processo de impeachment contra Dilma Rousseff, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva se reuniu nesta quinta-feira (15) com deputados do partido que assinaram pedido de cassação do mandato do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), a quem Lula propõe cessar fogo.


O ex-presidente recebeu 12 deputados do PT no hotel em que está hospedado em Brasília. Seis deles assinaram a representação, protocolada por PSOL e Rede na Comissão de Ética da Câmara, que pede a cassação de Cunha.

Leia também: 

Entre eles, Maria do Rosário (RS), Valmir Assunção (BA), Wadih Damous (RJ), Afonso Florence (BA), Margarida Salomão (MG) e José Pimenta (RS).

Lula cobrará dos deputados união em torno do governo, incluindo esforços para aprovar as medidas do ajuste fiscal e, principalmente, de tentar "aliviar" para Cunha no Conselho de Ética da Câmara, evitando que o pedido de cassação do peemedebista vá a plenário.

Oficialmente, o PT liberou a bancada e 34 dos 62 deputados assinaram o documento.

Lula e a direção do partido, porém, pediram nos bastidores que os petistas não assinassem a representação, em estratégia casada com o Palácio do Planalto em propor um armistício na relação conturbada com o presidente da Câmara, que ainda tem a prerrogativa de deferir ou arquivar pedidos de impedimento de Dilma.

Antes de embarcar a São Paulo, na noite desta quinta, Lula deve se reunir com a presidente Dilma no Palácio da Alvorada.

O ex-presidente chegou na noite de quarta-feira (14) a Brasília, quando se reuniu com advogados para traçar a linha de seu depoimento à Procuradoria.

Na manhã desta quinta, falou voluntariamente ao Ministério Público no inquérito que o investiga por suspeita de tráfico de influência em favor da Odebrecht.

Segundo informações do Instituto Lula, o ex-presidente afirmou "jamais ter interferido" em qualquer contrato celebrado entre o BNDES e empresas privadas. Lula teria destacado, de acordo com assessores, "que sempre procurou ampliar as oportunidades de divulgação dessas companhias no exterior, com vistas à geração de empregos e de divisas para o Brasil".

Leia também: 

A suspeita é que Lula tenha exercido influência para que o BNDES financiasse obras de Odebrecht, principalmente em países da África e da América Latina. A empreiteira bancou diversas viagens de Lula ao exterior depois que ele deixou a Presidência da República.

As investigações correm na Procuradoria da República no DF em sigilo. O Código Penal fixa como tráfico de influência "solicitar, exigir, cobrar ou obter, para si ou para outrem, vantagem ou promessa de vantagem, a pretexto de influir em ato praticado por funcionário público no exercício da função", prevendo pena de dois a cinco anos de reclusão.

PT

O presidente do PT, Rui Falcão, disse nesta quinta-feira (15) que o partido não impedirá a tramitação eventual processo de cassação do mandato de Cunha. A fala foi dada em entrevista ao blog do jornalista Breno Altman e repercutida pelo site do PT.

Falcão classifica como "deslavadas mentiras" as notícias de que petistas articulam com o presidente da Câmara para travar as ações de cassação do deputado e de impeachment da presidente Dilma.

Veja também:





  

Marina Dias e Ranier Bragon
Folha de S. Paulo
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...