terça-feira, 24 de novembro de 2015

Aliados propõem iniciar impeachment de Dilma em troca de manter o mandato de Cunha


Imagem: Alan Marques / Folhapress
Aliados do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), procuraram integrantes dos partidos de oposição nesta segunda e terça-feira (24) propondo a deflagração do processo de impeachment contra Dilma Rousseff em troca da preservação do mandato do peemedebista.


A Folha confirmou a informação com cinco integrantes da oposição, segundo quem a proposta saiu após uma reunião em São Paulo, na segunda, entre os deputados Paulo Pereira da Silva (SD-SP) e Rodrigo Maia (DEM-RJ), dois dos principais aliados de Cunha.

Leia também: 

Segundo esses relatos, a oposição daria os votos suficientes para que o Conselho de Ética da Câmara arquive sumariamente o pedido de cassação de Cunha –decisão que será tomada na semana que vem. O presidente da Câmara, então, autorizaria a deflagração do processo de impeachment contra Dilma e, na sequência, renunciaria à presidência da Casa, preservando o mandato.

A Folha apurou que os principais partidos de oposição avaliaram que a essa altura é praticamente impossível arquivar sumariamente o processo contra Cunha, mas que no caso da deflagração do impeachment podeira haver chances de o peemedebista se salvar na votação final de sua cassação, prevista para março ou abril de 2016.

Desde que vieram à tona as suspeitas de seu envolvimento no escândalo do petrolão, Cunha tem buscado governo e oposição na tentativa de um acordo para salvar seu mandato. Recentemente, inclinou-se para o lado governista, o que levou o PT a auxiliá-lo nas manobras de protelação de seu caso no Conselho de Ética. Em linha contrária, a oposição rompeu com ele.

Rodrigo Maia disse não ter conhecimento sobre a estratégia e negou que tenha tratado do assunto com Paulinho da Força. "Esse assunto não foi tratado comigo e não tratei disso com ele."

A Folha não conseguiu falar com Paulinho na tarde desta terça.

Também nesta terça, os principais partidos de oposição ao governo, além de alguns independentes, anunciaram que vão apresentar de forma conjunta à Procuradoria-Geral da República uma representação listando ações que mostrariam que o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), usa o cargo para tentar se livrar das acusações de envolvimento no escândalo da Petrobras.

Leia também: 
Cunha diz que entrega de relatório antes do prazo final 'fere o direito de defesa'

RENÚNCIA

Segundo oposicionistas e aliados do presidente da Câmara, embora a proposta tenha sido feita por dois deputados bastante próximos, Cunha ainda resistiria à ideia de abrir mão do cargo de presidente da Câmara.

A renúncia tem sido sugerida a ele por vários deputados. A expectativa é a de que, ao abrir o pedido de impeachment e deixar o comando da Casa Legislativa, o peemedebista sairia do centro dos holofotes, direcionaria as atenções para Dilma e reconquistaria o apoio dos partidos de oposição para evitar uma cassação.

Embora ainda resista, alguns de seus escudeiros afirmam que com o agravamento da crise tem diminuído sua resistência a uma possibilidade de renúncia.

Denunciado pela Procuradoria-Geral da República sob acusação de integrar o petrolão, Cunha é investigado ainda por ter omitido patrimônio milionário no exterior. Na semana passada, sua tropa de choque inviabilizou a sessão do Conselho de Ética que analisava o seu caso, manobra que engrossou o coro do "fora Cunha".

 Veja também: 







Ranier Bragon e Gustavo Uribe
Folha de S. Paulo
Editado por Folha Política
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...