quarta-feira, 2 de dezembro de 2015

'Foi melhor assim', disse Dilma a assessores ao saber que Cunha aceitou o impeachment


Imagem: Wilson Dias / ABr
Em uma primeira avaliação com seus assessores, a presidente Dilma Rousseff desabafou que pelo menos agora acabou a indefinição que estava "imobilizando" o governo e que o Palácio do Planalto deve traçar uma estratégia para derrotar o pedido de impeachment contra a petista aceito nesta quarta-feira (2) pelo presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ).


Depois de um dia de tensão, assessores comentavam no Palácio do Planalto: "Foi melhor assim". Interlocutores da presidente confidenciavam, inclusive, que se o governo não conseguir 171 votos para derrubar o pedido de impeachment no plenário da Câmara dos Deputados "é melhor mesmo ir para casa".

Leia também: 

Logo depois de tomarem conhecimento da decisão de Eduardo Cunha, assessores presidenciais a classificaram de "vingança" depois que os três deputados petistas decidiram votar contra o peemedebista no Conselho de Ética, que analisa parecer pela cassação do mandato do presidente da Câmara.

Além de se preparar para enfrentar a votação contra o pedido de impeachment na Câmara o governo avalia ainda ir ao STF (Supremo Tribunal Federal) contra a decisão de Cunha, alegando vingança do deputado e que não há crime de responsabilidade a ser imputado à presidente Dilma Rousseff.

Aliados de Dilma, porém, temem que o plenário da Corte decida que não cabe aos ministros do STF um parecer sobre o tema ou mesmo que há, sim, crime de responsabilidade da presidente.

Quem defende essa tese acredita que é melhor costurar a fragilizada base aliada no Congresso para conseguir os 171 votos necessários no plenário para impedir o afastamento.

Segundo a Folha apurou, antes de divulgar oficialmente sua decisão, Eduardo Cunha telefonou para o vice-presidente Michel Temer (PMDB-SP) para comunicá-lo que estava aceitando a tramitação do pedido de impeachment contra Dilma. Até as 19h30, Temer ainda não havia conversado com a petista sobre o assunto.

No início da noite, a equipe de Dilma decidiu que a presidente deveria fazer um pronunciamento sobre o episódio, previsto para o início da noite desta quarta.

O temor do governo, neste momento, é com os efeitos imediatos da decisão de Cunha sobre a economia e o mercado financeiro. A expectativa é de forte alta do dólar nesta quinta-feira (03) e de queda das Bolsas de Valores.

Isto, na avaliação da equipe econômica, será muito ruim num momento de forte retração da economia, o que pode piorar ainda mais a situação do governo, aprofundando a recessão também no próximo ano.

Desde o início da semana o governo estava dividido em relação às ameaças de Eduardo Cunha. Uma ala buscou convencer os deputados petistas do Conselho de Ética a salvar o presidente da Câmara sob o argumento que o desgaste político compensava evitar a abertura do processo de impeachment, que teria efeitos danosos na economia difíceis de se prever.

Outra ala, ligada ao ex-presidente Lula, avaliava o contrário. Que o governo não podia ficar refém de Eduardo Cunha e defendia o enfrentamento do processo. Este é o grupo que considera que, se o governo não tem votos para evitar o impeachment na Câmara, é melhor ir para casa.

Veja também: 

 
 





Valdo Cruz e Marina Dias
Folha de S. Paulo
Editado por Folha Política
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...