sexta-feira, 15 de janeiro de 2016

Em evento com Alckmin, MST esconde seus símbolos


Imagem: Duamorim/A2imgFOTOGRAFIA
O vermelho, cor que representa o MST (Movimento dos Trabalhadores Sem Terra), ficou de fora do evento em que o governador Geraldo Alckmin sancionou, nesta quinta-feira (14), no Palácio dos Bandeirantes, a lei estadual que permite a transmissão de terras a herdeiros de assentamentos rurais e o acesso deles a meios de financiamento. 

Bandeiras, bonés e camisas com os símbolos do movimento foram deixados de lado pelos sem-terra no encontro com o governador tucano. 

O comportamento é bem diferente do adotado em encontros recentes com lideranças petistas, inclusive a presidente Dilma Rousseff. 

Leia também: 

Apesar da recente aproximação com Alckmin, o MST avaliou que posar ao lado do governador com seus símbolos seria ir longe demais. 

Nos bastidores, segundo a Folha apurou, integrantes do movimento admitem que, embora Alckmin tenha encampado uma das principais demandas do grupo, o MST não poderia entregar sua bandeira ao tucano. 

Na avaliação de um integrante da organização, seria contraditório o MST divulgar um nota em que "repudia a ação violenta da polícia em São Paulo" e, no dia seguinte, aparecer com seu símbolo ao lado do governador. 

Oficialmente, dirigentes do movimento atribuem a ausência de seus símbolos ao fato de o evento na sede do governo paulista ter sido um ato político e solene. 

"Não levamos bonés e camisetas porque entendemos que era um evento político de assinatura de uma lei. Foi no Palácio dos Bandeirantes, fomos convidados e entendemos que essa conquista não foi de MST, mas de vários atores", afirmou à Folha Gilmar Mauro, principal liderança do movimento em São Paulo. 

Integrantes do MST usam bonés vermelhos
ao serem recebidos pela presidente Dilma Rousseff
Imagem: Pedro Ladeira / Folhapress
No entanto, na maioria dos encontros com o governo federal no Palácio do Planalto, os representantes do MST carregaram seus símbolos. 

Em agosto do ano passado, em uma reunião a portas fechadas com o então ministro da Casa Civil, Aloizio Mercadante, e os ministros petistas Patrus Ananias e Miguel Rossetto, a maioria vestia camiseta e boné do MST. 

Em 2003, o então presidente Luiz Inácio Lula da Silva posou para fotos com um boné do movimento, durante audiência oficial. 

"O principal dirigente do movimento, Gilmar Mauro, estava lá. Esse é o maior símbolo", afirmou João Paulo Rodrigues, uma das principais lideranças do MST, sobre a ausência do vermelho no ato com os tucanos. Ele não participou do evento por estar em uma reunião em Brasília. 


PRESSÃO 

O MST usou o ato desta quinta no Palácio dos Bandeirantes para mandar um recado a Dilma. "A lei [sobre transmissão de terras] tem um efeito simbólico nacional. Esperamos que, em nível nacional, se aprove uma lei como esta que está sendo aprovada aqui em São Paulo", disse Mauro. 

Alckmin, que disputa com o senador Aécio Neves (MG) a indicação do PSDB para ser o candidato à Presidência em 2018, tem aproveitado a falta de diálogo de Dilma com os movimentos para se aproximar de grupos ligados ao PT. "É importante estar aberto ao diálogo. Quando a gente ouve mais, erra menos", afirmou o governador em coletiva.

Veja também: 




  

Thaís Arbex e Bela Megale
Folha de S. Paulo
Editado por Folha Política
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...