sexta-feira, 26 de fevereiro de 2016

Mulher de marqueteiro do PT admite caixa 2 na campanha de Chávez na Venezuela


Imagem: Reprodução / R7
Monica Moura, mulher do publicitário João Santana, afirmou à Polícia Federal em depoimento nesta quarta-feira (24) que ela e o marido não receberam nenhum recurso de caixa 2 de campanhas realizadas no Brasil por "motivos óbvios, quais sejam, as investigações e condenações no caso do mensalão".

Santana foi marqueteiro das campanhas da presidente Dilma Rousseff (PT) e da campanha da reeleição do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), em 2006. Santana e a mulher dele, Mônica Moura, estão presos desde terça-feira (23), suspeitos de receber dinheiro oriundo no esquema de corrupção na Petrobras desvendado pela Operação Lava Jato em contas secretas no exterior. O dinheiro seria, de acordo com as investigações, pagamento de serviços eleitorais prestados ao Partido dos Trabalhadores (PT).

Leia também: 

Nesta quinta, o marqueteiro João Santana também prestou depoimento, que durou mais de três horas, na Superintendência da PF em Curitiba, no qual admitiu a existência de conta não declarada no exterior, mas também negou que fosse para recebimento de valores por campanhas no Brasil. Segundo Santana, Monica era a responsável pelas movimentações nas contas.

No depoimento, Monica admitiu que recebeu parte do valor recebido pela campanha realizada na Venezuela, de Hugo Chávez, de "forma não contabilizada" e que recebeu orientação para procurar um executivo da Odebrecht no Brasil, Fernando Migliaccio, para receber pelo trabalho.

No âmbito da Lava Jato, a prisão de Migliaccio foi decretada em 11 de fevereiro deste ano. Segundo a investigação, ele era responsável por gerenciar contas usadas pela Odebrecht no exterior para pagar propinas para autoridades do Brasil e de outros países. Essas contas estavam atreladas a offshores.

Ela também afirmou que acredita que os valores pagos pela Odebrecht no exterior chegam a R$ 4 milhões, mas que não recebeu nenhum valor da Odebrecht por campanhas realizadas no Brasil e, questionada se ela e o marido receberam recursos não contabilizados dos clientes dos serviços eleitorais que prestaram no Brasil, "disse que não, primeiramente, por motivos óbvios, quais sejam, as investigações e condenações no caso do mensalão".

Conforme o depoimento, Monica também disse que partidos políticos brasileiros não lhe pediram que fossem realizados pagamentos "à margem da contabilidade" e que recursos de campanhas eleitorais no Brasil foram recebidos "de maneira legal e registrada, de maneira que não houve motivo para pagamentos via 'caixa 2'".

Com relação a pagamentos de Zwi Skornicki, apontado como um dos operadores do esquema de corrupção na Petrobras, Monica disse que seriam referentes a campanha realizada em Angola, do presidente José Eduardo dos Santos, no total de US$ 50 milhões, dos quais US$ 20 milhões seriam pagos por "contrato de gaveta, não contabilizado".

Uma carta da mulher de Santana supostamente endereçada a Skornicki motivou a 23ª fase da Operação Lava Jato. Na carta, havia um contrato entre a offshore (empresa no exterior) Shellbill Finance S.A., que a Polícia Federal acredita ser dos publicitários, e uma offshore ligada à Odebrecht, uma das empreiteiras investigadas na Lava Jato. Monica escreve que apagou o nome da empresa, a Klienfeld, por "motivos óbvios".

Segundo a PF, a Klienfeld e a Innovation, supostas contas ocultas no exterior da empreiteita Odebrecht, transferiram para a offshore panamenha Shellbill Finance SA, de Santana, US$ 3 milhões, entre abril de 2012 e março de 2013.

Monica confirmou que enviou o bilhete, mas que nunca se preocupou sobre qual seria a atuação de Zwi e negou que os pagamentos guardem qualquer relação com campanhas no Brasil. Ela também negou que tenha apagado o nome por saber que o dinheiro tinha origem ilícita, e sim, para não expor a empresa Klienfeld a Zwi.

Ela afirmou ainda que preferia "tudo contabilizado", que não teria feito o caixa 2 não fosse a "imposição dos contratantes" e que "aguardava a promulgação de eventual lei de repatriação de valores, o que retiraria o caráter ilícito da manutenção da conta na Suíça em nome da Shellbill". A defesa do casal informou que vai disponibilizar à PF o extrato das contas.

O engenheiro Skornicki teve a prisão preventiva decretada pela Justiça nesta 23ª fase da Operação Lava Jato. Ele também está detido na carceragem da Polícia Federal em Curitiba. Ao G1, o advogado Flávio Mirza disse que não terminou de estudar o inquérito e, por isso, não iria se manifestar. De qualquer forma, pretende pedir a revogação da prisão.

Veja também: 

 

  


Rosanne D'Agostino
G1
Editado por Folha Política
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...