domingo, 20 de março de 2016

Belo Monte foi construída para gerar propina e financiar campanhas de Dilma, diz Miriam Leitão


Imagem: Reprodução / Youtube
Miriam Leitão, em sua coluna no jornal O Globo, explica que a delação de Delcídio do Amaral esclarece muitas decisões do governo petista que eram "irracionais do ponto de vista econômico", como a Usina de Belo Monte e os empréstimos do BNDES à Friboi. Segundo a colunista, agora se pode saber que "foram decisões viabilizadas pela corrupção e para se transformarem em dinheiro para campanha".
Leia abaixo o texto de Míriam Leitão:

Com a delação do senador Delcídio Amaral muito se esclarece do que parecia obscuro em decisões que foram irracionais do ponto de vista econômico. Foi assim com a Usina de Belo Monte, que afrontou toda a racionalidade em diversas áreas. Foi assim com o dinheiro excessivo emprestado pelo BNDES para os frigoríficos. E também com a entrada intempestiva e desastrada do grupo Bertin na área de geração de energia.
Leia também: 

Tudo parece lógico agora. Foram decisões viabilizadas pela corrupção e para se transformarem em dinheiro para campanha. Delcídio contou que quando, três dias antes do leilão de Belo Monte, o maior consórcio desistiu de participar, "em algumas horas" foi constituído novo grupo de empresas. Nele estavam Galvão Engenharia, Queiroz Galvão, Mendes Júnior e, entre outros, a Contern do grupo Bertin, que entrou forte nas disputas de energia, ganhava com muita frequência, e várias vezes não conseguiu entregar o empreendimento que havia vencido. O Bertin sempre foi patrocinado, explica agora Delcídio, por José Carlos Bumlai.
O problema é que poucos meses depois as empresas que não haviam participado do leilão — "não bidaram", como diz o senador — viraram donas do negócio e os vencedores ficaram em segundo plano. Tudo sempre pareceu esquisito em Belo Monte. O governo ignorou todas as críticas que mostravam que o empreendimento era ruim do ponto de vista econômico, fiscal, ambiental e humano. Um grupo de cientistas do governo preparou um documento mostrando que do ponto de vista climático a usina era um erro. Nada demovia a então chefe da Casa Civil, ex-ministra de Minas e Energia, Dilma Rousseff. O Ibama ficou contra. Na Casa Civil foi feita uma reunião que estabeleceu um prazo para sair a licença. Os técnicos do Ibama assinaram que não concordavam com a licença. Do Palácio do Planalto veio o edito: a licença tinha que sair. Publiquei tudo aqui nesta coluna, várias vezes falando do meu espanto com a forma autoritária com que tudo foi decidido.
O que diz Delcídio: "A propina de Belo Monte serviu como contribuição decisiva para as campanhas eleitorais de 2010 e 2014. O principal agente negociador do consórcio de Belo Monte foi o empreiteiro Flávio Barra da Andrade Gutierrez". A Andrade Gutierrez fez acordo para falar o que sabe. Poderá informar mais detalhes sobre o caso Belo Monte.
"Os números da propina giravam na casa dos R$ 30 milhões destinados às campanhas eleitorais". Mas o senador acha que os números finais são superiores porque houve um acordo em relação aos pedidos do consórcio de elevar o preço em R$ 1,5 bilhão. Esse acordo era uma das exigências do consórcio para as propinas pagas como contribuição eleitoral das campanhas de 2010 e 2014. Delcídio estima que atingiram R$ 45 milhões. E segundo Delcídio atuaram nessa engenharia financeira três ex-ministros: Silas Rondeau, Erenice Guerra e Antonio Palocci.
Segundo os termos da delação premiada, "Delcídio tem conhecimento de que Bumlai foi fundamental na liberação de financiamentos pelo BNDES para as empresas Friboi, Marfrig, Bertin, entre outras". O BNDES de fato concedeu empréstimos em volume extravagante aos frigoríficos. Várias vezes esse assunto foi tema de coluna. Tudo parecia irracional. Por que escolher um setor para beneficiar desta forma? Um dos negócios patrocinados pelo banco foi a venda de ativos de carne do grupo Bertin para o JBS Friboi e entrar no setor de energia. Alguns dos empréstimos para os frigoríficos foram danosos. A entrada do Bertin na energia foi estranha porque mesmo sem ter tradição o grupo ganhou vários leilões e depois não cumpriu os prazos da Aneel.
Há muito mais na delação de Delcídio, mas só para ficar em alguns exemplos de como ela ajuda a clarear o que era nebuloso. O que não tinha razão passa a ter. Construir uma hidrelétrica com capacidade para gerar 11 mil megawatts de energia, mas que só vai produzir 4 mil megawatts, na melhor das hipóteses, e que na seca pode chegar a apenas mil, e, para fazê-la, foi preciso passar por cima de tudo. Uma das várias colunas sobre Belo Monte que publiquei dizia: "O espantoso no leilão da hidrelétrica de Belo Monte é que as dúvidas e incertezas estão em todos os pontos". Pois é, agora não há mais dúvidas.

Veja também: 







Luciana Camargo
Folha Política
Leia mais notícias do poder e da sociedade em Folha Política  
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...