terça-feira, 15 de março de 2016

Empresa acusada de desvio bancou despesas de Gleisi, diz Delcídio


Imagem: Reprodução / Redes Sociais
Em seu acordo de delação premiada, o senador Delcídio do Amaral (PT-MS) citou líderes petistas no Senado, além da cúpula do PMDB. 

Segundo o senador, "Fundo Consist", era quem financiava despesas do mandato da senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR). A empresa teria atuado no desvio de recursos de empréstimos consignados do Ministério do Planejamento –que era comandado pelo marido da senadora, o ex-ministro Paulo Bernardo. 
Leia também: 

"Que é de notório conhecimento sua relação com a empresa Consist, sendo que a empresa acompanha o casal Bernardo e Gleisi desde a época em que foram secretários do então governador do MS, Zeca do PT. Que a Consist, sempre atuou como braço financeiro dos mesmos, e como mantenedora das despesas do mandato da senadora Gleisi, nos últimos anos. Que existem provas incontestáveis sobre isso.", afirmou o petista aos investigadores. 

"Ainda, que acredita que se deve dar atenção especial para o período em que Gleisi foi diretora financeira de Itaipu, quando vários "claims" de obras passaram pelas suas mãos. O mesmo vale para as concessões do Porto de Santos quando a mesma, como chefe da Casa Civil teve atuação decisiva na definição das áreas leiloadas. Ressalte-se que o operador de Gleisi sempre foi o seu marido Paulo Bernardo, sendo que na visão do depoente, e um dos melhores captadores de recursos do PT", completou. 

"Ainda, cabe destacar que Gleisi tinha estreito relacionamento com outros petistas, como José Guimarães (PT-CE), líder do governo na Câmara, e Carlos Gabas, ex-ministro da Previdência. 

OUTRAS MENÇÕES 

Há menções sobre o senador Humberto Costa (PT-PE), que ficou com a liderança do governo no Senado depois que Delcídio acabou preso no ano passado acusado de tentar atrapalhar as investigações da Lava Jato. 

"Que o depoente sabe que o Senador agiu com desenvoltura na Refinaria de SUAPE (PE). Que foi parceiro, entre outras empresas, da White Martins, que sempre contribuiu decisivamente para suas campanhas. Tem como operador o empresário pernambucano Mario Beltrão. Que sua proximidade com Paulo Roberto Costa [ex-diretor da Petrobras] era conhecida. " 

Gleisi e Humberto Costa já são alvos de inquérito no Supremo Tribunal Federal que investigam se tiveram participação no esquema de corrupção da Petrobras, mas os senadores negam envolvimento. 


A senadora é investigada ainda no Supremo pelas suspeitas em relação a Consist, mas o caso está com o ministro Dias Toffoli porque os ministros do Supremo entenderam que não havia conexão com a Lava Jato. 

"Fundo Consist", empresa que teria atuado no desvio de recursos de empréstimos consignados do Ministério do Planejamento -que era comandado pelo marido da senadora, o ex-ministro Paulo Bernardo. 

e acordo com os investigadores, "parte expressiva da remuneração da Consist, cerca de 9,6% do faturamento líquido, foi repassada, a Gonçalves, em Curitiba, que, por sua vez, utilizou esses mesmos recursos para pagamentos associados à senadora Gleisi Hoffmann". 

Entre as despesas pagas com esses recursos estariam um débito de R$ 1.344,51, a título de pagamento de multa relacionada ao nome da própria senadora, e débitos relacionados a Zeno Minuzzo e Hernany Bruno Mascarenhas, pessoas ligadas a ela, segundo a autoridade policial. 

Em um dos lançamentos de débito junto ao nome de Hernany consta a anotação "salário motorista - cheque 828", enquanto no outro, "Diversos PT, PB, Gleisi". 

Para a Polícia Federal, Mascarenhas prestaria serviços de motorista à senadora, enquanto Zeno Minuzzo teria sido secretário de finanças do Diretório Estadual do Partido dos Trabalhadores. 

Para acobertar os repasses, o escritório teria prestado um ou outro serviço à Consist, mas aparentemente incompatíveis com a remuneração de cerca de R$ 7 milhões.

Veja também: 









Márcio Falcão e Aguirre Talento
Folha de S. Paulo
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...