sexta-feira, 29 de abril de 2016

Imprensa internacional não chama impeachment de golpe


Imagem: Reprodução / Redes Sociais
Há uma imensa confusão rondando as redes sociais a respeito do que dizem ou não os jornais estrangeiros a respeito da crise brasileira. Tornou-se comum, por algum motivo misterioso, afirmar que lá fora há um movimento condenando o que a presidente Dilma Rousseff chama de “golpe”. Não é verdade.

Qualquer jornal ocidental divide o que publica em dois grupos. Há notícia e há opinião. Notícias são matérias (mais curtas) ou reportagens (longas, em geral com apuração de fôlego) que saem do trabalho de um ou mais repórteres que tentam relatar os fatos e como as opiniões se dividem a seu respeito. Opinião é outra coisa. Há editoriais (a opinião do jornal), colunas (pessoas que o jornal contrata para manifestar sua opinião com frequência) e artigos avulsos, para quando alguém tem uma opinião para manifestar. Por fim, ali no meio do caminho entre a notícia e a opinião, estão as análises, que sem manifestar uma preferência pessoal tentam ajudar o leitor a compreender o contexto no qual um fato se dá.
É assim que se organizam jornais brasileiros, do resto das Américas e da Europa.

Leia também: 

Um dos textos que mais vem circulando é The Real Reason Dilma Roussef’s Enemies Want Her Impeached, publicado pelo Guardian. É um artigo de opinião avulso, assinado por um cidadão brasileiro, David Miranda. Não é a opinião do jornal. É a opinião de um brasileiro.

O Guardian manifestou sua opinião em editorial: A Tragedy and a Scandal. Nele, o jornal aponta aqueles que considera responsáveis pela crise em que nos encontramos: “transformações da economia global, a personalidade da presidente, o PT ter abraçado um sistema de financiamento partidário baseado em corrupção, o escândalo que estourou após as revelações e uma relação disfuncional entre Executivo e Legislativo”. Sem poupar a Câmara ou Eduardo Cunha, em nenhum momento o jornal britânico sequer cita o termo “Golpe”.

Outros dois órgãos de imprensa importantes se manifestaram em editoriais.

O do Washington Post começa assim: “A presidente brasileira Dilma Rousseff insiste que o impeachment levantado contra ela é um ‘golpe contra a democracia’. Certamente não o é.” A partir daí, desanca tanto o governo Dilma quanto o Congresso Nacional. O único elogio que os editorialistas do Post conseguem fazer ao Brasil é que, no fundo, “este é um preço alto a pagar pela manutenção da lei — e, até agora, esta é a única área na qual o Brasil tem ficado mais forte.”

A revista The Economist também se manifesta a respeito do impeachment. “Em manifestações diárias, a presidente brasileira Dilma Rousseff e seus aliados chamam a tentativa de impeachment de Golpe de Estado. É uma afirmação emotiva que move pessoas além de seu Partido dos Trabalhadores e mesmo além do Brasil.” Seguem os editorialistas: “A denúncia de Golpes tem sido parte do kit de propaganda da esquerda.” O tom é este. O título: When a “coup” is not a coup. Aspas da revista. Para a Economist, o problema é que Dilma perdeu a capacidade de governar e, em regimes presidencialistas, quando isso ocorre a crise é sempre grave.

O principal jornal espanhol, El País, não publicou editorial a respeito do Brasil. Mas seu antigo correspondente e ainda colaborador, Juan Arias, escreveu uma análise. “Aquilo que para o governo e seus seguidores no PT é visto como um Golpe, para a oposição parece uma oportunidade de mudança de rumo político após 13 anos de poder.” Arias ressalta que Eduardo Cunha está envolvido em escândalos de corrupção, observa que há polarização política cada vez mais aguda mas, em momento algum, endossa a versão do Governo. Esta é a opinião do PT e pronto, não que a oposição seja inocente. Juan Arias, aliás, além de muito simpático está naquele time A de correspondentes estrangeiros, que conhece o Brasil profundamente.

A cobertura estrangeira é boa, é detalhista, com muita frequência põe o dedo em nossas feridas mais abertas. Nenhum dos editoriais de grandes veículos é superficial. E nenhum compra a ideia de que há um Golpe em curso. Basta lê-los.

Atualização em 24 de abril.

Desde que este texto foi publicado, comentaristas trouxeram algumas outras menções na imprensa estrangeira como contra-argumento. As mais relevantes envolvem um “pedido de desculpas” do francês Le Monde, um artigo na revista alemã Spiegel e a entrevista que Glenn Greenwald concedeu a Christiane Amanpour, da CNN.

Veja trecho da entrevista: 


A CNN não publica editoriais, não manifesta opinião formal. Amanpour, nascida na Inglaterra de família iraniana, é uma de suas principais estrelas e tem, como de praxe, autonomia editorial. Ninguém dá pitaco no que aparece em seu programa. Sua experiência de cobertura se concentra em leste europeu e, principalmente, mundo islâmico, na faixa entre norte da África e Ásia Central. O relevante, na entrevista, não é sua opinião (que, aliás, ela não dá). É a opinião de Glenn Greenwald, um jornalista americano premiado e que mora no Brasil.

Leia também: 

Greenwald tornou-se conhecido após dar valor e trazer a público as revelações de Edward Snowden a respeito da espionagem digital da NSA americana. O Prêmio Pulitzer, mais do que merecido, não é o único de sua carreira. Seu tipo de jornalismo vem de uma longa e importante tradição americana, a dos muckrakers, de militância não raro solitária de reportagem investigativa. Em geral, seu lema é speak truth to power. Correm risco pessoal para desafiar o poder instituído, principalmente governos. Sua especialidade jornalística está no encontro entre liberdades civis e tecnologia.

Glenn vive no Brasil, conhece o país e fala português com bastante fluência. Seu marido, David Miranda, é quem assina o artigo no Guardian. Quase todas as menções que se posicionam ao lado do governo brasileiro no endosso do termo ‘golpe’ na imprensa estrangeira vêm de ambos. Não é a opinião da imprensa. É a opinião de Greenwald e Miranda, que são simpáticos aos governos de Lula e Dilma e concordam com a leitura que o PT faz do Brasil. Eles não veem uma briga entre bandidos. O que veem é uma briga em que há mocinhos e bandidos. Seu direito, mas opinião minoritária na imprensa.

A revista Der Spiegel é o mais influente órgão de imprensa em língua alemã. Seu correspondente no Brasil também vê um Golpe de Estado e a revista abriu espaço, em seu site, para que ele publicasse um artigo de opinião a este respeito. Aqui vou com bastante cautela: não há nenhum indício de que a revista tenha publicado o artigo, não há editorial com posição formal do Spiegel — mas não falo alemão e, portanto, posso estar errado. Ao que parece, é a opinião pessoal do correspondente. Tem peso, ele é o jornalista escolhido para compreender o Brasil. Mas segue sendo uma opinião pessoal.

Frank Nouchi, editor responsável por intervir em nome dos leitores no francês Le Monde critica o segundo editorial publicado pelo jornal a respeito do Brasil, Brésil: ceci n’est pas um coup d’Etat, que afirma não haver um Golpe em curso no país. Nouchi considera a cobertura boa mas o editorial pouco equilibrado. Suas críticas, porém, não questionam a conclusão. Sugerem o jornalisticamente óbvio: os editorialistas não levaram em conta o outro lado e passaram batidos pelo envolvimento do presidente da Câmara, Eduardo Cunha, em escândalos seus. Nouchi não pede desculpas, como sugerem alguns. Tampouco o Monde mudou de opinião. O que o ombudsman cobra é um editorial mais parecido com o dos outros veículos, capaz de mostrar por inteiro a cara do fundo do poço brasileiro.

O New York Times, em nota dos editorialistas, limita-se a informar que Dilma considera seu impeachment um “golpe”, aspas do jornal.

A opinião da imprensa internacional segue sendo a mesma: o Brasil está no fundo do poço, mas não há golpe em curso.

Veja também: 

 
 
 

 


Pedro Doria
Medium.com
Editado por Folha Política
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

UOL Cliques / Criteo

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...