sábado, 16 de abril de 2016

Para fundador do PT, 'Dilma merece o impeachment'


Imagem: Marcos Michael / Veja
Fundador do Partido dos Trabalhadores, o cientista político e ex-ministro da Cultura Francisco Weffort se afastou do partido muito antes da eclosão dos escândalos do mensalão e do petrolão. Derrotado nas eleições para deputado constituinte em 1986, ele já havia percebido que o PT estava "se tornando mais do mesmo", principalmente em tempos eleitorais, quando cada candidato se preocupa apenas consigo próprio. Para Weffort, depois do envolvimento em inúmeros casos de corrupção o PT "não tem mais como se defender" e "Dilma merece o impeachment". De seu apartamento, na Lagoa Rodrigo de Freitas, no Rio de Janeiro, falou com VEJA pelo telefone.
Leia também: 

O senhor é a favor do impeachment?
Acredito que Dilma merece o impeachment. O impeachment é uma tentativa de corrigir algo que está errado. Ela não tem nenhuma competência para a atividade política e detesta o contato com os outros políticos. Trata-se de uma administradora incompetente politicamente. Em segundo lugar, ela claramente mentiu sobre a política econômica. Na campanha, aplicou um golpe de propaganda na população ao dizer que adversários fariam uma série de coisas que ela própria passou a fazer depois de eleita. As pedaladas fiscais também não são uma coisa tão simples. É muito dinheiro. Não se pode passar por cima de bilhões como se fossem dez reais. Além do mais, ela tomou decisões de gastos que não estavam previstos na lei e que comprometiam o orçamento. Isto é mais do que suficiente para afastá-la. Pedalada é errado. Não pode. O Brasil melhorou razoavelmente depois da aprovação da Lei de Responsabilidade Fiscal, mas ainda assim há muito erro no cumprimento da lei. Isso tem que ser punido. Não se pode aceitar esta complacência dos governantes que acham que mesmo infringindo a lei estão fazendo algo para o bem da população. Este é o argumento mais característico dos ditadores - e deu em desastre sempre. Precisamos começar a corrigir o que está errado.

Um impeachment tocado por um presidente da Câmara dos Deputados que é réu por corrupção e lavagem de dinheiro ainda assim tem legitimidade?
O que você quer que eu faça? Há uma banalização do crime na elite política. Nós deixamos que a coisa afundasse de tal maneira na corrupção que até um dos responsáveis por conduzir o processo é um fulano incriminado. Mala suerte. A lei tem que ser cumprida. Se ele estiver seguindo a lei, nos limites e atribuições de seu cargo, a proposta é legítima. Na França, depois da Segunda Guerra Mundial, houve alguns poucos casos de fuzilamento de intelectuais pró-fascistas ou nazistas. Eles foram condenados por juízes que integraram o regime de Vichy. Alguém poderia perguntar se um juiz que fez parte do regime colaboracionista teria legitimidade para realizar este julgamento. Ora, é claro que teria. Ele estava cumprindo a lei francesa, assim como o nosso presidente da Câmara está seguindo a lei na tramitação do impeachment, por mais criminoso que ele possa ser em face da mesma lei.

O senhor imaginou algum dia ver um empreiteiro bilionário, um banqueiro e até um líder de governo no Senado presos?
Nunca. Não imaginava sequer ver o ex-senador Luiz Estevão preso. De 40 recursos impetrados, ele passaria para 70 até que o crime prescrevesse. Era assim que a coisa funcionava. Havia também o caso clássico do político que prestes a ser condenados pelo Supremo Tribunal Federal, renunciava para que o processo voltasse à primeira instância e assim, toda aquela instrução de anos voltava à estaca à zero. As instituições estão mais maduras, a opinião pública está muito mais exigente e uma parte importante da imprensa continua cumprindo seu papel de fiscalizar. Estamos finalmente entrando na democracia, que é frágil, muito frágil. O presidente americano Thomas Jefferson, um dos pais fundadores dos Estados Unidos, dizia que o preço da liberdade é a eterna vigilância. Espero que depois de todo este processo de depuração, tenhamos uma democracia mais vigilante.

Nas últimas semanas, o ex-presidente Lula negociou cargos de segundo e terceiro escalão com partidos nanicos para tentar impedir o impeachment. Por que o Brasil possui 35 partidos políticos?
Nossa lei eleitoral tem uma origem democrática pura. Ela nasceu sob o espírito da Revolução de 1930 e dá chance à oposição de minoria. Isto porque na República Velha tínhamos muita corrupção eleitoral e o controle das eleições era feito sempre pelo partido dominante. A lei, na origem, foi extremamente benéfica. Ocorre que o Brasil mudou, cresceu e a legislação não acompanhou e foi gerando distorções. O ex-prefeito de São Paulo Gilberto Kassab (PSD), por exemplo, se tornou um expert em criar legendas. É muito fácil criar e manter partidos pela nossa lei. Estes nossos partidos já não se comportam mais por nenhuma ideologia imaginável, fazem apenas o que tem que ser feito: ganhar eleições.

Por que as pessoas estão tão polarizadas a ponto de brigar com amigos ou parentes por política? Isto já aconteceu antes?
É a primeira vez que isso ocorre no Brasil, mas este processo não é inteiramente ruim. Isto significa que as pessoas estão tomando a sério as suas próprias convicções. Vai chegar um momento em que elas vão ter que se convencer que na democracia é preciso conviver com a opinião do outro e, portanto, não adianta ficar histérico quando se tem uma opinião diversa. Ora, jogue uma água no rosto, vai tomar banho frio para aprender a respeitar a opinião alheia. Isto denota um grau de amadurecimento da democracia.

Veja também: 





Kalleo Coura
Veja
Editado por Folha Política
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...