domingo, 15 de maio de 2016

Lula deve ser procurado para ajudar, diz ministro de Temer


Imagem: Daniel Teixeira / Estadão
Responsável pela articulação política do governo Temer, o ministro da Secretaria de Governo, Geddel Vieira Lima (PMDB-BA), considera que, apesar de um possível ressentimento e acusações de golpe, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva deverá ser procurado para ajudar na busca por alternativas para sair da atual crise política e econômica. “Não tenho nenhuma dificuldades de diálogo com o ex-presidente Lula e tenho certeza de que, passado esse momento de emoção, o Lula, na condição de ex-presidente, haverá de dar sua contribuição para o distensionamento”, afirmou o ministro ao Estado.

O peemedebista minimizou o fato de Temer ter chegado ao comando do País sem o respaldo social. “Na medida que a economia embique para cima, tenho absoluta certeza de que a sociedade como um todo e os movimentos sociais vão apoiar o governo”, disse.

Leia também: 

Apesar da mudança de governo, a crise econômica não dá sinais de trégua. Quais propostas vocês pretendem enviar nesta primeira semana ao Congresso?
O presidente Temer no seu discurso deixou sinalizado com clareza que a confiabilidade, previsibilidade e diálogo serão as bases das propostas que precisam ser feitas para que a economia tenha confiança no governo, para que a sociedade volte a ter confiança no governo. Creio que o ministro Meirelles (Henrique, da Fazenda) tem deixado bastante claro que tratará de medidas como a desvinculação orçamentária e limites de crescimento da dívida. Haverá também uma absoluta prioridade na questão das PPPs (parcerias público-privadas), das concessões, de forma que se tenha a iniciativa privada como parceira dos investimentos do Estado. Queremos sobretudo gerar confiança e que as medidas, metas e parâmetros que forem estabelecidas sejam cumpridas.

Mas já há um cronograma de envio de propostas ao Congresso?
Estamos recebendo um governo que não houve transição. Para se ter uma noção, na Secretaria de Governo foi deixada, de forma até desatenciosa, apenas uma apostila, nenhum dado a mais. A equipe técnica vai trabalhar para recuperar dados para que possamos tocar nossas atividades. Você imagina a questão da Fazenda. O Meirelles vai chegar, vai montar a equipe dele e evidentemente discutir a formatação dessas medidas para que elas possam ser apresentadas com a maior brevidade.

Então, não será nesta primeira semana?
Não necessariamente. Vamos tentar fazer com a urgência necessária que a economia precisa, que a sociedade quer, mas com a cautela exigida para que não sejam cometidos erros. Nós queremos fazer as coisas depois de dialogar, depois de mostrar à base aliada, depois de ouvir.

Meirelles será o responsável por negociar diretamente as novas propostas com o Congresso?
Sou um homem do Parlamento, sei das angústias e dificuldades e estarei aberto para fazer essa ponte.

Mas objetivamente, Meirelles vai para dentro do Congresso negociar com as lideranças?
Se for preciso, vai. Se for preciso, vamos juntos. Não vai ter sobreposição de atividades. Não vai ter ciúmes. Vamos todos estar irmanados pelo mesmo objetivo. Essa é uma orientação do Temer.

O presidente Temer chega ao poder sem uma base social. Dificulta para enfrentar a crise?
A Secretaria de Governo tem muito essa responsabilidade de dialogar com as entidades da sociedade civil, como os movimentos sociais. Então, vamos abrir as portas, ouvir, dialogar, assumir compromissos e cumprir naquilo que pudermos cumprir. Na medida em que a economia embique para cima, tenho absoluta certeza que a sociedade como um todo e os movimentos sociais vão apoiar o governo.

O governo Temer espera ter uma trégua do mercado financeiro e dos movimentos sociais?
Temos a expectativa de que a sociedade compreenda que é preciso de um tempo mínimo para se organizar e começar a dar as respostas. Mas estamos prontos e preparados para o desafio que vem pela frente.

Leia também: 

O calendário é bem apertado. Haverá o recesso de julho, Jogos Olímpicos e eleições municipais. Dá tempo para arrumar a ‘casa’?
O recesso de julho não haverá mais. A Olimpíada vamos trabalhar para ser um sucesso, apesar das dificuldades que estão aí, de crise econômica, aumento da violência e inflação. Temos que buscar resgatar isso com brevidades. As eleições fazem parte do calendário democrático do País.

O governo Temer não corre o risco de vender uma ilusão da saída da crise?
Não vamos vender ilusões. Vamos apresentar propostas concretas e buscar a adesão. E trabalhar para que dê certo. Sabemos das dificuldades, mas o que nós vamos fazer é exatamente não vender ilusão. Vamos apresentar metas, projetos exequíveis e que sejam cumpridos. O que o mercado, o povo brasileiro e o mundo quer é um País previsível, com segurança jurídica, que desperte o apetite do investidor. E tendo um ministro da Fazenda com a capacidade do Meirelles acredito que vai dar certo.

Deverá ainda haver resistência do presidente interino da Câmara, Waldir Maranhão.
Vou conversar com o presidente da Câmara, com a Mesa da Câmara e com as lideranças. Tenham certeza de que chegaremos a um bom termo.

Há alguma articulação para afastá-lo ou pressão para que ele peça licença do posto?
Vou trabalhar de forma pragmática. E para isso vou contar com a compreensão do Waldir Maranhão. O Brasil não quer dificuldades adicionais e o Congresso não haverá de sobrepor essas dificuldades com picuinhas políticas. Portanto, tenho certeza de que o deputado Maranhão vai colaborar.

Como fica a relação com o ex-presidente Lula? Vocês vão procurá-lo?
Tenho apreço, muito carinho e respeito pelo ex-presidente Lula. Tivemos divergências nem tanto por conta dele, mas pela a falta de habilidade e aptidão da presidente Dilma. Portanto, não tenho nenhuma dificuldades de dialogo com ele e tenho certeza de que, passado esse momento de emoção, o Lula, na condição de ex-presidente, haverá de dar sua contribuição para o distensionamento. Não creio que alguém que presidiu o País possa querer que o Brasil afunde ainda mais nesta crise econômica.

E o PT? Como lidar com a segunda maior bancada do Congresso, na oposição?
Espero que continuem fortes e aguerridos. Governo sem oposição não é bom, se acomoda. Vamos ter um governo pronto para o diálogo, mas também muito combativo.

Na composição da nova base, o PSDB exigiu que Temer não se envolva na campanha municipal. Isso vai ser seguido?
Acho que não é uma exigência das lideranças, mas sim do bom senso. Presidente Temer tem um compromisso com o País. Eu como líder político na Bahia me envolverei, sem criar dificuldades, nas questões locais do meu Estado. Em outros, cada um vai cuidar da sua vida. Mas o presidente Temer e o governo não vão se envolver porque não queremos criar dificuldades além daquelas que já temos que enfrentar.

Houve muita crítica na composição do ministério em razão da ausência de uma representante feminina. Foi um lapso?
Acho absolutamente natural. Nós fizemos alguns contatos com mulheres que não puderam aceitar. Outras mulheres ocuparam cargos importantes.

Veja também: 


 

Simone Iglesias
O Globo
Editado por Folha Política
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

UOL Cliques / Criteo

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...