sexta-feira, 10 de junho de 2016

Centrais sindicais não aderem à greve geral sugerida por Rui Falcão para ato contra Temer


Imagem: Reprodução / Redes Sociais
Reconhecendo dificuldade de mobilização, centrais sindicais e movimentos de esquerda descartam a realização de greve geral nesta sexta-feira (10), para quando está planejado um ato contra o impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff.


Organizado pela Frente Brasil Popular, o ato de sexta está programado para ocorrer em São Paulo às 17h, na av. Paulista, em frente ao Masp. Também estão previstos atos em ao menos outras 20 cidades, como Brasília, Rio, Porto Alegre e Curitiba.

Leia também: 
TSE manda investigar fraudes nas eleições de 2014
Alexandre Frota empareda Waldir Maranhão: 'Não faça a lambança do impeachment e assine as 10 medidas!'; veja
Irene Ravache 'manda recado' para Waldir Maranhão após ele tentar sabotar as 10 medidas contra a corrupção; veja
Técnicos foram 'massacrados' ao tentar alertar sobre pedaladas, diz procurador

Entre os participantes da frente estão CUT, CTB, UNE, MST e MTST, entre outros, e conta com o apoio de partidos de esquerda.

Uma greve geral foi cogitada pelo presidente do PT, Rui Falcão, em um texto divulgado nesta semana pelo partido.

Para os movimentos de esquerda, no entanto, a paralisação ainda estaria "em construção", sem forças para ocorrer agora. Numa recente reunião, os sindicalistas admitiram que um movimento desse porte só será possível depois que o presidente interino, Michel Temer, colocasse em prática propostas de retirada de direitos dos trabalhadores. Citam como exemplo uma reforma da Previdência Social.

Segundo um integrante de uma central sindical, as medidas adotadas pelo próprio governo Dilma, que culminaram em alta nas taxas de desemprego e inflação, também dificultam a convocação de uma greve geral neste momento.

Douglas Rizzo, presidente da CUT de São Paulo, afirma que a greve aconteceria depois de aberto o "pacote de maldades" de um eventual governo Temer.

"Temos dificuldade de paralisação. Tanto é que estamos construindo a greve geral. A fala do Rui Falcão está descolada da realidade do que estamos vivendo com os trabalhadores. Mas o pacote de maldades que este governo interino está prometendo é tão grande que, se houver impeachment, e Temer aplicar 10% dessas maldades contra os trabalhadores, eles vão atender à mobilização das centrais", disse Rizzo.

Presidente nacional da CUT, Vagner Freitas, afirma que a central está "construindo uma greve geral com suas bases para lutar contra retrocessos", mas que só ocorrerá quando Temer encaminhar ao congresso medidas de retirada de direitos. Ainda não tem data marcada.

Apesar descartarem paralisação como queria Rui Falcão para esta sexta, algumas categorias –como de servidores públicos– podem suspender atividades no dia.


Veja também: 


 



Catia Seabra
Folha de S. Paulo
Editado por Folha Política
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

UOL Cliques / Criteo

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...