segunda-feira, 20 de junho de 2016

Considerada 'especialista' no setor elétrico, Dilma deixou a Eletrobrás em estado pré-falimentar


Imagem: Reprodução / Redes Sociais
O jornalista Ary Filgueira, em artigo para a revista IstoÉ, faz um retrato dramático da situação da Eletrobrás, empresa estatal de energia. Segundo Filgueira, Dilma, que se "vendeu" como especialista da área de energia, levou a empresa a um estado pré-falimentar. 
Leia abaixo o texto de Ary Filgueira: 


É dramático o estado da Eletrobrás. Beira a insolvência. De quatro anos para cá, como resultado de uma nefasta combinação de ingerência política, falta de transparência e um quadro de corrupção sistêmica que se ombreia apenas ao da liquidada Petrobras, a estatal acumulou perdas de R$ 30,5 bilhões. A empresa poderia ter tido um destino bem diferente, se a presidente afastada Dilma Rousseff atuasse como manda o figurino – bastava ela cumprir o que dela se esperava. O desastre da Eletrobrás está para a gestão da petista assim como o insucesso de um filho está para o fracasso do pai. Com um extenso currículo na área energética, fama de ser uma “gerentona linha dura” e prestígio político com Lula, a petista poderia, quando assumiu o ministério de Minas e Energia, ter criado as condições necessárias para colocar a companhia no rumo do desenvolvimento sustentável, o que a livraria do hoje inevitável processo de vilipêndio e, consequentemente, da bancarrota em que hoje a estatal se encontra. Não o fez e, quando ascendeu à presidência da República, o quadro só se deteriorou.
Leia também: 
Gleisi Hoffmann admite roubos do PT, mas diz que o partido é moralmente superior mesmo assim; veja

Um dos símbolos da decadência da Eletrobras foi a corrupção na construção da Usina Angra III. Investigadores responsáveis pela aferição de provas, em Curitiba, prevêem para o fim deste mês a primeira sentença sobre desvios de recursos públicos. A investigação começou em julho do ano passado. Geridas pela Eletronuclear, as obras da usina foram alvo de operação deflagrada pela Polícia Federal na 16ª fase da Lava Jato, batizada de Radioatividade. Estão sob investigação contratos com a Eletronuclear das mesmas empreiteiras envolvidas no esquema de lavagem e desvio de dinheiro da Petrobras.
As denúncias de corrupção em estatais subsidiárias da Eletrobras levaram ao afastamento de dois dos seus principais dirigentes no ano passado. Ligado a Dilma, Valter Cardeal se desligou da Diretoria de Geração da Eletrobras. Já Adhemar Palocci, irmão do ex-ministro de Lula, Antônio Palocci, ocupava o cargo de diretor de Planejamento e Engenharia da Eletronorte. Ele foi suspenso após as investigações internas apontarem a sua participação em suspeitas de fraudes levantadas pela Lava Jato. Em março do ano passado, o executivo da Camargo Corrêa Dalton Avancini, em delação, disse que Adhemar “teria algum envolvimento com propinas”.
De acordo com o ministro de Minas e Energia, Fernando Coelho Filho, a situação da estatal de energia é “insustentável” e exigirá uma revisão do tamanho e do papel da empresa. Ele adiantou que o governo prepara um plano de vendas de ativos da companhia que deverá começar com empresas de distribuição e fatias minoritárias em usinas e linhas de energia.
Mas para que novos investidores direcionem seu capital social a uma das 15 empresas que compõem o grupo da Eletrobras é preciso estancar a sangria de recursos financeiros da estatal provocada por desvios ilícitos que visam o pagamento de propina a políticos feito basicamente por empresas parceiras de negócios com as estatais. O fator corrupção motivou a elaboração de um relatório (20-F) da Comissão de Valores (SEC) – Securities and Exchange Commission – que recomenda o desligamento em definitivo dos papeis da Eletrobras junto à Bolsa de Valores de Nova Iorque (Nyse) – o principal mercado de valores mobiliários do mundo. A negociação dos papéis da Eletrobras foi suspensa em 18 de maio da Nyse depois de a estatal comunicar na véspera que não entregaria às autoridades dos Estados Unidos o balanço auditado referente a 2014. A suspensão ocorreu porque a KPMG, empresa de auditoria responsável por aprovar o balanço financeiro da estatal brasileira antes de ele ser enviado, se recusou a assinar o documento uma vez que nele não há menção do dano causado à Eletrobras por irregularidades investigadas pela Lava Jato. É, realmente, um desastre. Com a palavra, a especialista Dilma.

Veja também: 
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

UOL Cliques / Criteo

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...