quarta-feira, 29 de junho de 2016

Dinheiro de fraude pagava contas de Paulo Bernardo e Gleisi Hoffmann


Imagem: Reprodução / Redes Sociais
Documentos apreendidos na Operação Custo Brasil mostram que o advogado do ex-ministro Paulo Bernardo pegava dinheiro das fraudes no empréstimo consignado e pagava despesas da família do ex-ministro. Imagina: você contrata um advogado e ele é que paga as suas despesas. A Polícia Federal desconfiou.

É uma inversão estranha. A investigação aponta que o escritório contratado pelo ex-ministro Paulo Bernardo pagava despesas jurídicas e pessoais dele e da mulher, a senadora Gleisi Hoffmann.

O documento a que a TV Globo teve acesso é um relatório da Polícia Federal sobre o material apreendido no escritório do advogado Guilherme Gonçalves, em Curitiba, no ano passado. Serviu de base para a Operação Custo Brasil, que prendeu 11 pessoas na semana passada. Entre elas o próprio advogado e Paulo Bernardo, ex-ministro do Planejamento no governo Lula e das Comunicações no governo Dilma.

Leia também: 

Guilherme é suspeito de intermediar pagamento de propina a Paulo Bernardo, na fraude de empréstimos consignados para funcionários públicos federais.

A empresa Consist, que administrava o software usado nos empréstimos, é suspeita de ter repassado R$ 100 milhões para o Partido dos Trabalhadores e a políticos. Segundo o relatório, a Consist repassou mais de R$ 7 milhões para o escritório de Guilherme.

A contabilidade e os emails do escritório de Guilherme Gonçalves estão entre as principais evidências contra o ex-ministro e mostram um fato curioso: segundo os documentos, Paulo Bernardo e a mulher dele, a senadora Gleisi Hoffmann, eram clientes do escritório, mas era Guilherme quem pagava várias despesas jurídicas e pessoais do casal. 

No mês de fevereiro de 2014, por exemplo, houve dois pagamentos da Consist para o escritório, no total de quase R$ 30 mil. Entre as despesas, aparecem vários pagamentos em nome de Paulo Bernardo, Gleisi e para o PT.

Em fevereiro de 2015, aparecem pagamentos de quase R$ 60 mil da Consist, despesas com custas processuais para a senadora Gleise Hoffmann e repasses para Hernany Mascarenhas.

Ele aparece em uma foto, anexada ao relatório, ao lado da senadora. Segundo o documento, Hernany era motorista do escritório e prestava serviço para Gleisi e o ex-ministro.

Em um email apreendido pela polícia, Guilherme autoriza um pagamento para o motorista, porque ele está sendo eficiente quando os ministros precisam e isso não tem valor que pague.

O Bom Dia Brasil entrou em contato com o advogado do ex-ministro Paulo Bernardo e Gleisi Hoffmann, mas não teve retorno.

O Bom Dia Brasil não conseguiu contato também com a defesa do advogado Guilherme Gonçalves, nem com o motorista Hernany Mascarenhas.

A Consist disse que continuará a colaborar com a investigação e com a Justiça.

O PT afirmou que não tem nada a esconder e que está à disposição das autoridades.

Veja também: 



 



 

Bom Dia Brasil
Editado por Folha Política
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

UOL Cliques / Criteo

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...