quinta-feira, 23 de junho de 2016

Marido de Gleisi ficava com 1/3 da propina da Consist, diz delator


Imagem: Reprodução / Redes Sociais
Em seu acordo de delação premiada, o ex-vereador do PT Alexandre Romano, o Chambinho, detalhou aos investigadores da Operação Lava Jato como se dava a divisão da propina oriunda do contrato da Consist Software com entidades ligadas ao Ministério do Planejamento, que resultou na prisão nesta quinta-feira, 23, do ex-ministro Paulo Bernardo – governos Lula e Dilma Rousseff. Segundo o delator, após a contratação da empresa por entidades conveniadas com o governo federal ficou acordado que 1/3 dos valores seria destinado a Bernardo, que é casado com a senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR),  via o escritório de advocacia de Guilherme Gonçalves. Ambos são alvos da Operação Custo Brasil, deflagrada hoje.


A investigações apontam que após a assinatura do contrato entre o Ministério, o Sindicato Nacional das Entidades Abertas de Previdência Complementar (SINAPP) e a Associação Brasileira de Bancos (ABBC), as entidades contrataram a Consist Software Ltda com o objetivo de criar o sistema de gestão dos empréstimos consignados.

Leia também:

Dos valores recebidos pela Consist, aponta a PF, R$ 5 milhões tiveram como destinatário o escritório de advocacia Guilherme Gonçalves & Sacha Reck cujo titular foi advogado eleitoral da senadora Gleisi Hoffman, que teve prisão preventiva decretada na Custo Brasil. Gonçalves também recebeu via seu escritório outros R$ 1,2 milhão da SWR, outra empresa da Consist.

Ainda segundo o delator, os outros 2/3 eram divididos entre ele e o tesoureiro do PT, João Vaccari Neto, na proporção de 50% para cada um, sendo a parte de Vaccari recebida por meio de pessoas jurídicas. “Num primeiro momento era CRLS, representada pelo Cortegoso, que realizava os pagamentos emitindo notas contra a Consist. Num segundo momento, era a empresa Politec, representada pelo Helio Oliveira, que realizava o pagamento. E, por fim, num terceiro momento era a Jamp (Engenheiros Associados), representada pelo Milton Pascowitch.”

A Jamp foi uma das empresas usadas pelo operador de propinas Milton Pascowitch para pagar o ex-ministro José Dirceu – preso e condenado pela Lava Jato, em Curitiba.

Veja também: 



 



 



Mateus Coutinho, Julia Affonso, Fausto Macedo e Fábio Serapião
O Estado de S. Paulo
Editado por Folha Política
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

UOL Cliques / Criteo

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...