quarta-feira, 8 de junho de 2016

'Se o PT voltar ao poder, o Brasil sofrerá uma guerra civil', afirma historiador Marco Antônio Villa


Imagem: Reprodução/Youtube
Em sua coluna de hoje no GLOBO, o historiador Marco Antônio Villa elogia o começo do governo Michel Temer, apesar dos percalços, frisa que ele acerta na economia, sendo que ainda falta seguir adiante com as boas propostas, e alerta que será preciso enfrentar com maior coragem e determinação os “movimentos sociais” ligados ao PT.


Villa não alivia nas palavras na hora de qualificar a era lulopetista de “projeto criminoso de poder” por parte de uma quadrilha. E faz um prognóstico sombrio: no caso de uma improvável volta deste projeto ao poder, o Brasil entraria em guerra civil, como parece prestes a acontecer na Venezuela:

Se não há qualquer possibilidade de o projeto criminoso voltar ao poder, o que poderia levar o país à guerra civil, é líquido e certo que Temer deve organizar um governo sob novas bases quando for presidente de fato. O maior desafio será a convivência com um Congresso sob a mira da Justiça e que deve tentar chantagear o Executivo nas questões consideradas vitais para a nova administração federal.
[…]
Na interinidade, o presidente vai conviver com os constantes ataques petistas e de seus comparsas. E quando se aproximar a data do julgamento, a tendência é de enfrentamento nas ruas. Buscam desesperadamente um cadáver. Têm de transformar o governo em repressor. Faz parte do script dos marginais que foram defenestrados do poder. Caberá ao governo manter a ordem dentro dos limites constitucionais.
Ainda haverá muitas surpresas. A principal fonte deverá ser a operação Lava-Jato. Não é descartada a prisão de Lula. Afinal, mantê-lo em liberdade é colocar em risco as investigações, pois o ex-presidente pode coagir as testemunhas, destruir provas. Mantê-lo solto também é um perigo para a ordem pública. Ele estimula a guerra civil em todos os seus pronunciamentos. Além da contradição de o chefe do petrolão continuar a fazer política — leve, livre e solto — da mesma forma como desempenhou a sua presidência e de sua criatura.
[…]
Até o momento, Temer tem conseguido administrar os conflitos. Porém, é necessário avançar e enfrentar os opositores. Uma saída conciliatória é inviável. Passar à ofensiva é a melhor forma de fortalecer o governo e garantir a aprovação do impeachment, sem ter de aceitar a chantagem de senadores corruptos. E para isso tem de, inicialmente, convocar uma rede nacional de rádio e televisão para expor — ainda que sem um levantamento completo — a situação em que encontrou o governo. Não será, infelizmente, necessário uma ampla pesquisa. Basta relatar, sucinta e didaticamente, o que o PT fez com as empresas e bancos estatais e a máquina estatal. Mostrar o descalabro e seu significado econômico-social é a melhor defesa frente aos golpistas que rasgaram os ordenamentos legais da República, seus princípios, sua história.

Leia também: 
Senador Álvaro Dias aponta que PT tirou mais de R$700 bilhões dos brasileiros para mandar a ditadores corruptos e sanguinários e grupos empresariais; veja
Vídeo de artistas conclamando à ocupação de ministério para derrubar Temer gera enxurrada de críticas; veja
Cunha aciona STF contra Jean Wyllys
Marcelo Odebrecht está prestes a fechar delação premiada, diz Valor
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

UOL Cliques / Criteo

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...