sexta-feira, 24 de junho de 2016

Sistema de controle de propina da Odebrecht funcionou até mês passado


Imagem: Edilson Dantas / Ag. O Globo
O sistema de informática “Drousys”, que controlava as transações do “banco da propina” — comprado pela Odebrecht para operacionalizar pagamentos no exterior —, pode ter funcionado até o mês passado. Em depoimento à Justiça Federal, Camilo Gornati, responsável pela manutenção do programa de controle do “Setor de Operações Estruturadas” da empreiteira, afirmou que um servidor reserva ficou ativo até o “mês passado ou retrasado” quando o Ministério Público da Suíça bloqueou o acesso.


— Foi criado um segundo portal de acesso (ao “Drousys”) que ficava em outro data center também na Suíça — afirmou Gornati, que questionado pela força tarefa da Lava-Jato até quando o novo servidor funcionou, explicou: — Até mês passado ou retrasado, pode se dizer que sim (o servidor estava funcionando).

Leia também: 

Gornati foi interrogado na terça-feira na na ação sobre a 26ª fase da Operação Lava Jato, batizada de Xepa. Ele explicou que um primeiro servidor onde estavam armazenados os dados sobre as operações bancárias foi bloqueado pela Suíça em 2015. E que desde então, um outro servidor, também localizado no país, ficou em atividade.

BANCO PARA OPERAR PROPINA

O responsável pela manutenção disse ainda que a escolha da Suíça para manter os servidores do sistema se deu por “segurança”:

— O que me falaram é que era mais seguro deixar na Suíça — disse Gornati

Dados do sistema “Drousys”, a que a força tarefa da Lava-Jato teve acesso, revelam que a Odebrecht mantinha pelo menos 42 contas no Caribe que abasteceram 28 offshores com mais de US$ 132 milhões da Odebrecht. Em delação premiada, o operador Vinícius Borin afirmou que a Odebrecht comprou, através de terceiros, o Meinl Bank Antígua, no arquipélago de Antígua e Barbuda, onde operou US$ 1,6 bilhão nos últimos seis anos. Além de Borin, assinaram delação os também operadores Luiz Augusto França e Marco Pereira de Souza Bilinski.

O Meinl Bank Antígua foi adquirido em 2010 por executivos ligados ao grupo e movimentou cerca de US$ 1,6 bilhão em mais de 40 contas. Segundo Borin, a compra de 51% do banco foi fechada por US$ 3,984 milhões e o restante permaneceu com o Meinl Bank Viena. Mais tarde, o grupo exerceu opções de compra e chegou a deter 67% das ações da instituição.

As contas que operavam para a Odebrecht foram abertas em nome de terceiros, como o Fernando Migliaccio, que foi funcionário do grupo, e Olívio Rodrigues Junior, que foi sócio da Graco Corretora. Borin disse que todos os executivos ligados à operação do Meinl Bank tinham codinomes e senha do programa de computador criado para movimentar propina. No depoimento dado à Justiça na terça-feira, Camilo Gornati confirmou a informação.

As contas movimentadas no Caribe foram usadas pela Odebrecht para fazer repasses ilegais a agentes públicos e políticos, de acordo com as investigações da Lava-Jato. A força tarefa identificou o repasse de US$ 16,633 milhões pagos à ShellBill, que pertence ao publicitário João Santana, responsável pelas campanhas de marketing do PT à presidência — as duas que elegeram Dilma Roussef e a do ex-presidente Lula, em 2006.

A Odebrecht informou que não vai se pronunciar.

Veja também: 

 
 


 


Renato Onofre e Cleide Carvalho
O Globo
Editado por Folha Política
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

UOL Cliques / Criteo

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...