sábado, 23 de julho de 2016

Assédio jurídico contra Moro fracassa: 14 ações são sepultadas pela CNJ


Imagem: Reprodução
Uma das principais táticas dos grupos políticos totalitários é tentar vencer seus adversários lançando sobre eles uma quantidade enorme de processos judiciais, sem a expectativa de vê-los avançar, mas com o único fito de dar trabalho ao oponente. Ao tentar lidar com a batelada de processos judiciais, o adversário perderia, assim, a condição de atuação.


Diversos políticos petistas e seus aliados – muitos deles investigados na Lava Jato – tentaram essa tática contra o juiz Sérgio Moro, ao protocolarem mais de uma dezena de ações ao CNJ (Conselho Nacional de Justiça). Mas a tática fracassou, pois, como se lê no Diário do Poder, o CNJ já julgou improcedentes 14 dessas ações.

Leia também: 
Após delação de João Santana, senador Magno Malta insinua que Dilma irá para a cadeia logo após impeachment; veja

Duas dessas ações negadas o foram pela ministra Nancy Andrighi, que negou dois pedidos liminares pedindo afastamento de Sérgio Moro das funções de juiz.

A maioria das ações vieram de petistas, mas outras partiram de aliados do projeto totalitário, como Telmário Mota (PDT-RR), cuja mulher deputada foi condenada por corrupção.

Para a execução da tática, os adeptos de Dilma lançaram a narrativa de que Moro a “subversão da ordem política e social” ao punir os corruptos ligados ao antigo governo. Tais narrativas petistas têm sido encaradas como piada.

Veja também: 

 




Jornalivre
Editado por Folha Política
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

UOL Cliques / Criteo

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...